20070623

Memórias

Lembras-me uma marcha de Lisboa
Num desfile singular,
Quem disse
Que há horas e momentos p'ra se amar?

Lembras-me uma enchente de maré
Com uma calma matinal
Quem foi
quem disse
Que o mar dos olhos também sabe a sal?

As memórias são
Como livros escondidos no pó
As lembranças são
Os sorrisos que queremos rever, devagar

Queria viver tudo numa noite
sem perder a procurar
Um tempo ou espaço
Que é indiferente p'ra poder sonhar

As memórias são
Como livros escondidos no pó
As lembranças são
Os sorrisos que queremos rever, devagar

Quem foi que provocou vontade
e atiçou as tempestades
e amarrou o barco ao cais?

Quem foi que matou o desejo
E arrancou o lábio ao beijo
E amainou os vendavais?

As memórias são
Como livros escondidos no pó
As lembranças são
Os sorrisos que queremos rever,
devagar
devagar

(Luis Represas)


5 comentários:

Cátia disse...

Minha querida,

As memorias... daquele sorriso, daquele abraço, daquele momento bem vivido... As memorias são o que muitas vezes nos dá força e energia. As memorias sempre belas, afinal não recordamos os maus momentos, pois nao?

Por vezes os momentos que passamos são tao angustiantes ou tristonhos que sao as memorias que nos ajudam... Mas é preciso não estar demasiado apegados ao passado, e olhar para a frente. Viver o presente para irmos construindo sempre novas memorias também.

Coragem para viver...
Beijinhos grandes cheios de carinho desta amiga que gosta mt de ti e que te acompanha na caminhada

antonio disse...

Já uma vez disse isto: o nosso futuro serão as memórias do passado, cuidemos pois dele.

elsa nyny disse...

gosto desta música...é linda!

beijinhos pa ti!

Moinante disse...

Convido-te a passar pela minha humilde gruta ...

" Desafios e actos de Nobreza . "

Votos de uma semana feliz .

Paulo Sempre disse...

Que fazes ai Lisboa
De os olhos fincados no rio?
Os olhos não são amarras
Onde se prende o navio...

Paulo

Podes partilhar também aqui as tuas palavras