20090914

Onde a saudade me dói

Ouvi o mar chamar por mim, insistentemente.
Fiz silêncio e pus-me à escuta: era isso mesmo, o mar sussurrava-me ao ouvido aquela melodia de que eu começava a sentir falta.

Procurei-o ao cair da tarde. Na areia branca, húmida, deixei o rasto dos pés, junto com o das gaivotas seduzidas pela traineira do peixe.
O azul imergiu-me; a distância naufragou-me.
Deixei os pés afundarem-se na areia, submergidos pela rebentação das vagas, escorridos na espuma, embebidos nessa água, mas perdidos noutro sal, porque é outro longe que eu sinto.

As gaivotas, atraídas pelo odor do peixe, voam em redor do barco em busca de alimento.
Eu procuro outro barco. Atraída pelo fragor do mar, deixo mergulhar os pés e flutuo os sentidos nesse embalo, numa ânsia de me transportar para outro lado no meio do oceano... para lá; para lá: onde a saudade me dói.







19 comentários:

Paula Raposo disse...

Lindíssimo o que escreveste! Tal como as fotos. Beijos.

Je Vois la Vie en Vert disse...

Lindas as fotos, lindas as palavras !

É engraçado como também fizeste uma foto dos teus pés na água. Foi a primeira vez que fiz isto (no meu post "Onde estou?").
Temos muitas coisas em comum, acho eu.

Beijinhos

Verdinha

teresa disse...

cada dia que passa fico mais espantada contigo minha amiga ,
que descrição fantástica ,
tens mesmo jeito para as palavras,
com o teu texto até nós sentimos ,
o mar a chamar por nós.
as fotos estavam lindas,
beijinhos

Mário Margaride disse...

Belo poema querida amiga!

A saudade, das coisas boas que passam pela nossa vida, ficarão para sempre dentro de nós.

Beijinhos e boa semana!

Mário

gaivota disse...

acabei de chegar... já estou a "pingar"
quando fôr grande, é no pico que vou viver! para sempre..............
lindo, sempre, lindo!!!!!!!!!!!!!
BEIJINHOS

Canela disse...

Nobres pensamentos...

Nobre escrita. Faz-nos viajar, embalados nessas marés.

Beijinho

gaivota disse...

ontem também lá desci no cais/bar mourato, o mar estava quente!!!
cheguei e as saudades j+a contam...
beijinhos

Pena disse...

Oh, Maravilhosa e Doce Amiga:
"...As gaivotas, atraídas pelo odor do peixe, voam em redor do barco em busca de alimento.
Eu procuro outro barco. Atraída pelo fragor do mar, deixo mergulhar os pés e flutuo os sentidos nesse embalo, numa ânsia de me transportar para outro lado no meio do oceano... para lá; para lá: onde a saudade me dói..."

"Isto" é de uma beleza imensa. Pura poesia genial, mesmo.
Fiquei perplexo. Próximo. Que ternura de escrita.
Olhe, tem aqui um leitor atento a tudo o que faz. Fá-lo deliciosa e soberbamente.
Perfeito.
Fantástico que cativa e deslumbra.
Parabéns sinceros.
É linda.
Beijinhos amigos.
Com respeito e poderosa estima.
Sempre a admirá-la

pena

Linda...!

Eduardo Aleixo disse...

Onde a saudade te dói, é longe, longe, e nem me ouves a mim, que saudades tenho de ti, diz-te o mar e tu não o ouves, e nada se resolve, nem a saudade, de que só fica a espuma...
Gostei dos seus versos e as fotos são muito bonitas.
Obrigado pela partilha.
E pela visita.

mfc disse...

Que nostalgia mais linda!

Aníbal Raposo disse...

Olá,

Lindas fotos da ilha azul vendo-se a majestade do Pico ao fundo e um belíssimo texto.

Beijos

Å®t Øf £övë disse...

Fá,
Gostei do teu texto que já me fez sentir saudades do calor do Verão que se encontro no seu final.
Bjs.

.POTT disse...

As memórias permitem-nos a ilusão de que o tempo não passou.
Mas passou.
Um odor, uma imagem, uma sensação, um gesto ou um som, provocam a ilusão dos sentidos e fazem-nos percorrer a memória em flashes de lembranças.
Muitas vezes não conseguimos contextualizá-las e permanecemos ali, teimosamente, a tentar recordar onde esse 'momento de perda de presente' nos levou.
Se o encontramos, ele revela-se, mas não igual. Tudo muda. Só fica o que queremos por força do querer.
Há quem escreva e reescreva o que já escreveu vezes sem conta e não se aperceba disso. É a força do querer fazer perdurar a memória das lembranças.

POTT

avlisjota disse...

Muito lindo o teu poema, é na simplicidade que reside a maior beleza, a beleza de sermos nós e nos entregarmos de corpo e alma á beleza que nos rodeia, que nos faz transportar para lá...

Beijois FA e bom fim de semana

José

Mário Margaride disse...

Passo por aqui, para te desejar um excelente fim de semana, e dar-te um beijo grande!

Mário

PreDatado disse...

Nos dias que não oiço o mar coloco o búzio no ouvido.

Fa menor disse...

Paula,
Obrigada!
Beijos.


Verdinha,
é verdade :)
como vês, temos sempre algum em comum com os outros.
Beijinhos


Teresa,
que bom que consegui transmitir
o sentimento pelo qual fui invadida ao poisar os pés nesta praia de areia branca, tão diferente da outro lado em que ela ou é de areia negra ou são rochas, mas de onde não tiro o pensamento.
Beijinhos


Mário Margaride,
A saudade das coisas que nos enchem o coração não nos abandona nunca!
Beijinhos


Gaivota,
O Pico é uma sedução!
E no Faial tenho parte do coração...
Beijinhos


Canela,
Há embalos que são viagens...
Beijinho


Pena,
Muito obrigada!
Os seus elogios são de encher a alma!
Bem-haja.
Beijinhos amigos.


Eduardo,
resta sempre a espuma!
Obrigada!
Bjs


Mfc,
sim. é nostalgia...
Obrigada.
Bjs


Aníbal Raposo,
Ilha Azul e Pico: um delicioso conjunto que não há palavras que descrevam.
Beijos


Å®t Øf £övë disse...
O Verão no seu final acentua a nostalgia.
Bjs.


POTT,
"As memórias são como livros escondidos no pó,
As lembranças são os sorrisos que queremos rever devagar." (Trovante)
Obrigada pelas tuas palavras!
Sim, foi tudo isso num 'momento de perda de presente'.
Bjs


Avlisjota/José,
... a beleza das coisas simples!
Obrigada!
Beijos


PreDatado,
Um búzio no ouvido... sim, dizem que através dele se ouve o mar.
Já experimentei: o mar está dentro do ouvido... :)

Cris disse...

Arrebatador... este texto...
Alma de poeta!
Até me arrepio :)

beijinhos com saudades

Fa menor disse...

Oh, Cris... quem me dera aí!
fiquei com a lágrima ao canto do olho ao ver-te aqui.
Muitos beijinhos cheínhos de saudades