domingo, 29 de março de 2009

NAquele que me conforta

(Fl 4,13)

Tudo posso
NAquele que me conforta.

NAquele que me conforta
Tudo posso!


terça-feira, 24 de março de 2009

Hoje é outro dia



Senhor,
que me concedeste mais um ouvir dos passarinhos; que permites que o sol ilumine todos os dias, mesmo os mais sombrios...

Eu te agradeço por todos os momentos de alegria, mas também por todos os momentos menos alegres; por todos os dias em que o sol brilha esplendoroso, mas também por aqueles em que apenas se sabe que está lá mas não se vê...

Peço-te que ignores as minhas fraquezas, ou que me ajudes a convertê-las em fortaleza.

Seja sempre o Teu Nome o meu escudo e protecção, o rochedo que me serve de amparo; e que a minha boca se converta em cânticos.

Hoje quero recomeçar.
Hoje é outro dia... outra vez.
Outra oportunidade.
Que eu a saiba aproveitar.

segunda-feira, 23 de março de 2009

Não quero velas

Não quero velas.
Pode ser só bolo e espumante.

Feitas as contas: nove meses depois do S. João.
Confirma-se. Foi banho de S. João! Só assim é que poderia ter aparecido menina, depois de três rapazes já em idade casadoira.
E ela todo o tempo cheia de vergonha: Era uma vergonha! Com três filhos, homens, em casa... e grávida, quando podia ser já avó!

Não quero velas.

Afinal, cheguei fora de tempo, quando já ninguém contava comigo.
Mas porque a quem Deus promete nunca falta;
E porque vaso ruim não quebra… cá estou eu!

Não quero velas.
Pode ser só bolo e espumante!


Sintam-se convidados!

sábado, 21 de março de 2009

No Dia Mundial da Poesia

Ser Poeta - Florbela Espanca


Um dos mais belos poemas de Florbela Espanca na voz de Luís Represas.

quinta-feira, 19 de março de 2009

Não há pai para o meu pai!

94 anos. Uma velhice cada vez mais dependente, desde que deixou de conduzir à cerca de quatro ou cinco anos.
Como foi sempre muito senhor de si, é-lhe extremamente difícil a dependência. Por outro lado, grita por companhia e acompanhamento. "Maria" é o nome que está sempre na sua boca. Mas a Maria, 91 anos rijos e activos, mulher muito senhora do seu nariz, mas a ficar surda que nem uma porta, e que só à extrema força aceita ajuda, antes quer cavar no quintal do que fazer-lhe companhia.
E ele chama e faz chantagem, a lucidez abandona-o por momentos. Que vai morrer, que quer os filhos para se despedir; que "ninguém quer saber de mim"; que não come, não pode, não tem força nas mãos; que não pode andar, que quer uma cadeira de rodas; "que vida há-de ser a minha"...
Mas...
come bem pela própria mão; anda com andarilho e até só com uma bengala se se motivar para isso... quer mimo... e tem mimo, só que tem de ser sempre estimulado para que não pare de vez e acame. E isso é-lhe difícil de entender.
Gosta de estar ao sol a ver quem passa... e gosta dos beijinhos das raparigas, mais novas e menos novas!

Não há pai para o meu pai!

Ou melhor... até há... :)


Hoje, um beijinho especial para meu pai,

e outro para o mais que pai do meu pai e pai dos meus três filhos!


[Adenda: Afinal, são 95 e 92 anos... um lapso da memória...
eu também queria ter um ano a menos!]

segunda-feira, 16 de março de 2009

Comida dos Peixes



«Não só vos comeis uns aos outros, senão que os grandes comem os pequenos. Se fora pelo contrário era menos mal. Se os pequenos comeram os grandes, bastara um grande para muitos pequenos; mas como os grandes comem os pequenos, não bastam cem pequenos, nem mil, para um só grande.»

In: Sermão de Santo António aos peixes

Santo António pregou aos peixes porque os homens não o queriam ouvir.
Estes peixes, metaforicamente, não deixam de ser os homens.

Se, naquele tempo, as injustiças eram enormíssimas, provocando grandes disparidades sociais, de modo que os grandes atrofiavam os pequenos, fazendo deles capachos de seus pés; este sermão continua mais que válido para os tempos pelos quais estamos a passar.

De carácter particular, são usados quatro exemplos de peixes que se referem a tipos comportamentais:
O roncador que simboliza os arrogantes;
o pegador, que simboliza os oportunistas;
o voador, que simboliza os ambiciosos;
e o pior de todos, o polvo, que simboliza o traidor e o hipócrita.

Ontem, como hoje, o mais grave de tudo é que são os grandes que comem os pequenos, ou seja são precisos muitos pequenos para alimentar um grande.

Santo António acusa-os igualmente de cegueira, vaidade e de terem maldade.

Estas repreensões são feitas com o objectivo de mudarem os homens, ou pelo menos fazê-los pensar, mesmo que não haja uma mudança rápida.

"Vós sois o sal da Terra"... e explica as razões pelas quais a terra está tão corrupta. Ou a culpa está no sal - os que pregam -, ou na terra - os ouvintes.

Não me estou a sentir muito capaz de ser sal... a minha voz não tem assim tanta força, sente-se fraca, silenciada, atrofiada...

Sinto-me é comida dos peixes, de grandes Tubarões.

quinta-feira, 12 de março de 2009

A visita da cegonha


(Picture by tmaneca)

Não, não foram dois de uma vez... :)

Nasceram no mesmo dia, mas com 24 anos de diferença!

Parabéns ao meu querido menino grande!

Parabéns aos queridos papás da menina pequenina...
ainda só com horinhas!


... e parabéns para mim...
por evocar hoje um dos dias em que fui cegonha.


Estou contente!

domingo, 8 de março de 2009

'Dia Internacional da Mulher'


A igualdade de direitos dos homens e das mulheres só foi possível a partir da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Até então as mulheres eram tratadas como pessoas de segunda classe em quase todos os países do mundo.


Apesar de tudo o que se tem feito neste campo, há ainda muito para fazer, pois as mentalidades não se mudam de um dia para o outro.



Enquanto as mulheres forem vistas como adornos pessoais dos homens, como meros úteros ou vaginas... vítimas de tráfico e escravatura; enquanto os seus direitos e dignidade forem atropelados... será sempre preciso um Dia Internacional da Mulher!


Estou nauseada!