domingo, 25 de dezembro de 2011

O melhor presente

Deus deu ao mundo,
o verbo feito carne,
O bébézinho na manjedoura,
Deus deu ao mundo,
nesta noite escura
Seu Único Filho,
a glória de Deus

Deus deu ao mundo,
Deus deu ao mundo,
Deus deu ao mundo,
O melhor presente.

Deus deu ao mundo,
o que ninguém podia
Seu Filho à morte,
para nos dar vida
Deus deu ao mundo,
sem esperança
uma nova vida,
novo amanhecer

Deus deu ao mundo,
o melhor presente
Seu Santo Filho,
para nos salvar.
Não importa quão
desviados andámos,
O presente de Deus
é para nós

Deus deu ao mundo
O melhor presente.

(God Gave the World - letra em português)



God Gave The World

"O Verbo fez-se carne e veio habitar entre nós" (Jo. 1, 14)

Santo e Feliz Natal, com Jesus, o melhor presente!
Novo Ano pleno das Suas bênçãos.


quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

A Verdade


«O rapaz ia muito mal na escola. As suas notas e o comportamento eram uma decepção para os pais, que sonhavam vê-lo formado e bem-sucedido.
Um belo dia, o pai propôs-lhe um acordo:
- Se tu, meu filho, mudares o comportamento, se te dedicares aos estudos e conseguires ser aprovado no exame para entrar na universidade, dar-te-ei um carro de presente.
Por causa do carro, o rapaz mudou como da água para o vinho. Passou a estudar como nunca e a ter um comportamento exemplar. O pai estava feliz, mas tinha uma preocupação. Sabia que a mudança do rapaz era apenas pelo interesse de obter o automóvel.
Isso não era bom. O rapaz seguia os seus estudos e aguardava o resultado dos seus esforços. Assim, o grande dia chegou. Foi aprovado.
Como havia prometido, o pai convidou a família e os amigos para uma festa de comemoração. O rapaz abriu emocionado o pacote. Para sua surpresa, o presente era uma Bíblia. O rapaz ficou visivelmente decepcionado e nada disse.
A partir daquele dia, a distância e o silêncio separaram pai e filho. O jovem sentia-se traído e agora lutava pela sua independência.
Deixou a casa dos pais e foi morar no Campus Universitário. Raramente mandava notícias à família. O tempo foi passando e ele formou-se, conseguiu um bom emprego e esqueceu-se completamente do pai.
Todas as tentativas do pai para reatar os laços foram em vão. Até que um dia, o pai, velho e muito triste com a situação, não resistiu. Faleceu. Depois do funeral, a mãe entregou ao filho a Bíblia que tinha sido o último presente do pai.
De volta à sua casa, o rapaz que nunca perdoara o pai, quando colocou a Bíblia numa estante, notou que havia um envelope dentro dela. Ao abri-lo, encontrou uma carta e um cheque.
A carta dizia: "Meu filho, sei o quanto desejas ter um carro. Eu prometi e aqui está o cheque. Escolhe aquele que mais te agradar. No entanto, fiz questão de te dar um presente ainda melhor, a Bíblia Sagrada. Nela aprenderás o amor de Deus e a fazer o bem, não pelo prazer da recompensa, mas pela gratidão e pelo dever de consciência".»


Ops!….. e agora?!... tarde demais...

Quantas vezes nos sentimos traídos e nos afastamos sem procurar conhecer a verdade… e sem perdoar?!

E não saber perdoar leva à tristeza, a erros e a fins terríveis.

As adversidades da vida espreitam-nos constantemente. Mas, se olharmos com cuidado, talvez nelas encontremos um "cheque escondido". Numa bíblia que não ousamos abrir.


É tempo de Advento. Tempo que antecede o Natal. Para os cristãos, é um tempo de preparação e alegria, de expectativa, em que os fiéis, esperando o Nascimento de Jesus Cristo (a Verdade… Caminho e Vida - cf. Jo. 14,6), vivem o arrependimento e promovem a fraternidade e a Paz.
Porque antecede o Natal e o fim do ano civil, é um período muito importante para a manifestação dos mais nobres sentimentos da pessoa humana, mesmo para os não cristãos.

Então, podemos dizer que o Tempo é propício a procurarmos a verdade e o perdão, a fraternidade, a alegria e a paz, numa bíblia perdida algures nalgum canto dentro de nós. 
E também, porque não, na Bíblia Sagrada, o livro dos livros, que contém a Verdade revelada.

Quem sabe, neste Advento, encontremos o “cheque escondido”.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Pauzinhos de Marfim


"Na China antiga, um jovem príncipe resolveu mandar fazer, de um pedaço de marfim muito valioso, um par de pauzinhos. Quando isto chegou ao conhecimento do rei seu pai, que era um homem muito sensato, este foi ter com ele e explicou-lhe:
— Não deves fazer isso, porque esse luxuoso par de pauzinhos pode levar-te à perdição!
O jovem príncipe ficou confuso. Não sabia se o pai falava a sério ou se estava a brincar. Mas o pai continuou:
— Quando tiveres os teus paus de marfim, verás que não ligam com a loiça de barro que usamos à mesa. Vais precisar de copos e tigelas de jade. Ora, as tigelas de jade e os paus de marfim não admitem iguarias grosseiras. Precisarás de cauda de elefante e fígado de leopardo. E quem tiver comido cauda de elefante e fígado de leopardo não vai contentar-se com vestes de cânhamo e uma casa simples e austera.
Irás precisar de fatos de seda e palácios sumptuosos. Ora, para teres tudo isto, vais arruinar as finanças do reino e os teus desejos nunca terão fim. Depressa cairás numa vida de luxo e de despesas sem limite. A desgraça irá atingir os nossos camponeses, e o reino afundar-se-á na ruína e desolação… Porque os teus paus de marfim fazem lembrar a estreita fissura no muro de uma fortaleza, que acaba por destruir toda a construção.

O jovem príncipe esqueceu o seu capricho e mais tarde veio a ser um monarca reputado pela sua grande sensatez."

( Conto do filósofo chinês Han Fei, oito séculos antes da nossa era)


Este conto não vos faz lembrar nada, nos nossos tempos?

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

A propósito da Chuva que hoje cai...



Mariza, Chuva

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Ensina-nos a rezar



Virgem Orante, Senhora da oração,
contemplativa na tua vida quotidiana,
Senhora do louvor em Magnificat,
Senhora da oferta no Templo e no Calvário,
Senhora que ponderas no Coração
os mistérios do divino amor.

Virgem orante, Senhora da intimidade,
da escuta amorosa da Palavra,
ensina-nos a rezar à tua semelhança,
faz-nos cristãos orantes, contemplativos,
com uma vida alicerçada em Deus,
escutando apelos e convites.

Virgem Orante, que rezas com a Igreja,
escuta as nossas preces por todos os homens,
intercede por nós junto de Jesus,
faz que o mundo seja mais fraterno,
mais justo, mais pacífico, mais verdadeiro,
e acolhe em teu Coração todos os que sofrem.

(Dário Pedroso, S. J. - Maria, Mãe de Jesus)

sábado, 17 de setembro de 2011

Para a P.

P.,

Amiga, colega, companheira…
Sempre pronta para a brincadeira…
E, principalmente, para arregaçar as mangas para o trabalho;

Foram longas as horas,
E, outras vezes, breves os momentos
De partilha, de cumplicidade…
Em que a amizade falou mais alto;
Em que as notas que arrancaste à flauta, ao acordeão, à garganta
e aos sentimentos partilhados, se transformaram em alegria, em amor,
em coragem, em vida.

És pequena de corpo, mas grande na alma;
Inteligente, extrovertida, solidária, emotiva…
Corajosa e vencedora nos caminhos que ousas percorrer.

Na voragem dos dias que, nestes tempos, a todos quer consumir,
Nunca deixes de ser pedra no alicerce da construção que agora inicias;
socorrendo-te sempre da Pedra Angular – Jesus Cristo – em todo o tempo e,
ainda mais, se a construção parecer abanar, pelos ventos, tempestades,
ou só pequenas fragilidades.
Nunca deixes de ser a pauta onde se escreverá a música;
A nota imprescindível ao acorde perfeito;
A clave do Sol que fará brilhar a Vida no teu lar.

Isto não é uma despedida de ti,
No grupo em que criaste raíz
E foste ramo,
E folhas,
E flor…
Porque queremos estar para o que, de nós, precisares,
E te esperamos,
Presente,
Dádiva,
Peça que faz falta a um puzzle.

Cristo conta contigo,
Convosco – como casal.

Felicidades aos noivos!
O Senhor vos abençoe em toda a vossa vida.

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

O Azeite que faz brilhar a Candeia



"O Reino do Céu será semelhante a dez virgens que, tomando as suas candeias, saíram ao encontro do noivo.
Ora, cinco delas eram insensatas e cinco prudentes.
As insensatas, ao tomarem as suas candeias, não levaram azeite consigo;
enquanto as prudentes, com as suas candeias, levaram azeite nas almotolias.
Como o noivo demorava, começaram a dormitar e adormeceram.
A meio da noite, ouviu-se um brado: 'Aí vem o noivo, ide ao seu encontro!'
Todas aquelas virgens despertaram, então, e aprontaram as candeias.
As insensatas disseram às prudentes: 'Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas candeias estão a apagar-se.'
Mas as prudentes responderam: 'Não, talvez não chegue para nós e para vós. Ide, antes, aos vendedores e comprai-o.'
Mas, enquanto foram comprá-lo, chegou o noivo; as que estavam prontas entraram com ele para a sala das núpcias, e fechou-se a porta.
Mais tarde, chegaram as outras virgens e disseram: Senhor, senhor, abre-nos a porta! Mas ele respondeu: Em verdade vos digo: Não vos conheço." (Mt. 25,1-13)

*As insensatas não levaram azeite consigo;
*As prudentes levaram azeite nas almotolias.

As virgens insensatas, que não levaram azeite com elas, procuraram agradar aos homens pela sua continência e pelas suas boas obras, simbolizadas pelas candeias.
Ora, se o motivo das suas boas obras é agradar aos homens, elas não levam azeite com elas. Porque a sua luz é mantida pelos louvores humanos.

Se evitais o mal e se fazeis o bem para recolher lisonjas dos homens, então não tendes azeite no interior das vossas almas.

Mas vós, levai o azeite convosco; levai-o no vosso interior, onde penetra o olhar de Deus; trazei aí o testemunho de uma boa consciência.

Por isso, as candeias das virgens prudentes brilhavam com um vivo fulgor, alimentadas pelo azeite interior, pela paz da consciência, pela glória secreta da alma, devido à caridade que a abrasa.

*A meio da noite, ouviu-se um brado e todas despertaram.

Então as insensatas tentam, como sempre tinham feito, brilhar com o azeite alheio, viver das lisonjas dos homens: «Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas candeias estão a apagar-se»
Mas, nessa altura, já não há ninguém para as elogiar.

Ler reflexão completa:
Comentário ao Evangelho feito por Santo Agostinho - Sermão 93


Vigiai, pois, porque NÃO SABEIS o dia nem a hora. (Mt 25,13)

«Quanto àquele dia e àquela hora, NINGUÉM O SABE: nem os anjos do Céu nem o Filho; só o Pai.»
(Mt 24, 36)

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Bruma


Quando sol se esquece de falar
Talvez esteja a apreciar o ouro do silêncio.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

1913 - 2009

Guardar-te-ei sempre,
pai, 
acima de tudo, 
nas minhas melhores recordações.




sábado, 16 de julho de 2011

Nada te perturbe

“Nada te perturbe,
Nada te espante,
Tudo passa,
Deus não muda,
A paciência tudo alcança;
Quem a Deus tem
Nada lhe falta:
Só Deus basta.

Eleva o pensamento,
Ao céu sobe,
Nada te perturbe.
A Jesus Cristo segue
Com peito grande
E, venha o que vier,
Nada te espante.

Vês a glória do mundo?
É glória vã;
Nada tem de estável,
Tudo passa.
Aspira às coisas celestes,
Que sempre duram;
Fiel e rico em promessas,
Deus não muda.

Ama-O como merece,
Bondade imensa;
Mas não há amor fino
Sem a paciência.
Confiança e fé viva
Mantenha a alma,
Que quem crê e espera
Tudo alcança."

(Oração de Santa Teresa de Ávila)


da Oração de Santa Teresa - Cântico de Taizé

Nada te turbe
Nada te espante
Quem a Deus tem
Nada lhe falta

Nada te turbe
Nada te espante
Só Deus basta

domingo, 3 de julho de 2011

O Caminho da Fé faz-se Caminhando



Aceita Senhor a nossa vida que é tua
E faz deste mundo um mundo irmão
Caminha connosco e faz-nos caminhar
Para sermos a tua imagem,
O Homem da Ressurreição


Vídeo
Letra, acordes, pauta

quinta-feira, 23 de junho de 2011

No mês do Sagrado Coração de Jesus


"Tomou, então, o pão e, depois de dar graças, partiu-o e distribuiu-o por eles, dizendo: «Isto é o meu corpo, que vai ser entregue por vós; fazei isto em minha memória.» Depois da ceia, fez o mesmo com o cálice, dizendo: «Este cálice é a nova Aliança no meu sangue, que vai ser derramado por vós.»" (Lc 22, 19-20)

É na Eucaristia que o Coração de Jesus, o seu amor, se dá todo a nós: corpo, sangue, alma e divindade. 
Ele é o Pão Vivo descido do Céu para ser nosso alimento.
Comungá-lo é viver d'Ele, é permanecer n'Ele, é receber a Vida, é alimentar-se do Pão celeste que dá vida, santifica, cura, transforma, purifica, fortalece, cristifica.
A Eucaristia é a presença de todo o Seu Coração (Amor) e, por isso, deve ser o centro da nossa vida.
No altar temos de aprender com Cristo, com o Seu Coração Eucarístico, a darmo-nos, a ser alimento para os outros viverem através do nosso dom e da nossa entrega, no serviço alegre e humilde, na dádiva de nós aos outros. 
(In: Dário Pedroso, S.J. - Coração Trespassado, O Amor Louco de Deus)


Na sexta-feira depois da oitava da festa do Corpo de Deus, a Igreja celebra a festa do Sagrado Coração de Jesus.
Mas a Igreja dedicou à sua veneração também um mês inteiro: o mês de Junho.

A Devoção ao Sagrado Coração de Jesus

quinta-feira, 16 de junho de 2011

O meu amor existe

Majestoso:



O meu amor tem lábios de silêncio
E mãos de bailarina
E voa como o vento
E abraça-me onde a solidão termina

O meu amor tem trinta mil cavalos
A galopar no peito
E um sorriso só dela
Que nasce quando a seu lado eu me deito

O meu amor ensinou-me a chegar
Sedento de ternura
Sarou as minhas feridas
E pôs-me a salvo para além da loucura

O meu amor ensinou-me a partir
Nalguma noite triste
Mas antes, ensinou-me
A não esquecer que o meu amor existe

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Adiante!


"Deixa a vida acontecer com tudo quanto inclui, tentações de todo o género, falta de coragem… Um santo vivo não está imóvel num nicho e o Espírito Santo não o abandona nos momentos difíceis. A grande prova de santidade não é não ter tentações nem deixar de sentir cansaço, não, é caminhar sempre, reagir, subir para Deus."

(Padre Maria Eugénio do Menino Jesus)

sábado, 28 de maio de 2011

Os Barretes Novos

Costumava ouvir do meu pai muitas histórias. Hoje lembrei-me desta:

Há muitos anos havia um homem que tinha um filho que, quando lá se lembrava, pedia ao pai que lhe comprasse um barrete novo. Porque aquele que tinha, ou era já do ano passado, ou já estava fora de moda, ou que vinham aí as festas do S. João, ou porque algum amigo também tinha estreado um novo, ou…
E o pai, ainda que lhe fosse dizendo que ele não tinha ainda necessidade de outro, que ainda havia pouco tempo que lhe tinha comprado aquele, perante a insistência do filho e porque não o queria ver desgostoso lá lhe comprava outro barrete. E os outros, que ainda estavam em bom estado, ia-os guardando a todos dentro duma arca.
Isto foi acontecendo ao longo da juventude do filho, enquanto este ainda era solteiro, de modo que os barretes se iam acumulando na arca.
Quando o filho se casou e começou a governar a sua própria casa, nunca mais o pai lhe viu estrear um barrete novo.
A dada altura, quando lhe viu na cabeça aquele mesmo barrete, todo gasto e puído, o último que lhe comprara em solteiro, já havia uns três ou quatro anos, o pai interpelou-o sobre isso, “É que eu preciso de remir uma casa de família, e o que vou granjeando não dá para tudo..., se o pai ainda por lá tivesse algum que me desse…”, e o pai foi à arca e deu-lhe um dos barretes que já fora dele. Passado mais uns tempos: “Se o pai tivesse outro barrete que me desse, que este já nem parece barrete…”, e o pai lá tirava outro da arca e lho dava. E assim o filho foi gastando, um a um, os barretes que noutros tempos já não quisera.

E vá-se lá saber por que me lembrei disto hoje…

Quando a canga pesa, a vida dói. 

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Totus Tuus

«Totus tuus, Maria, somos todos teus.»



Je vous choisis, aujourd'hui, ô Marie, en présence de toute la Cour Céleste,
pour ma Mère et ma Reine.
Je vous livre et consacre, en toute soumission et amour,
mon corps et mon âme,
mes biens intérieurs et extérieurs,
et la valeur même de mes bonnes actions passées, présentes et futures,
vous laissant un entier et plein droit de disposer de moi et de tout ce qui m'appartient,
sans exception, selon votre bon plaisir,
à la plus grande Gloire de Dieu, dans le temps et l'éternité.


(Consagração à Virgem Maria, S. Louis-Marie Grignon de Montfort)

Tradução:

Eu escolhi-Vos, hoje, ó Maria, na presença de toda a Corte Celestial,
para minha Mãe e Rainha.
Entrego-vos e consagro a vós, com toda a submissão e amor,
o meu corpo e a minha alma,
meus bens interiores e exteriores,
e até mesmo o valor de minhas boas acções passadas, presentes e futuras
deixando-vos direito pleno e inteiro de dispor de mim e de tudo o que me pertence,
sem excepção, de acordo com o vosso querer,
para a maior Glória de Deus no tempo e na eternidade.
.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Ai. A gente nem vê...

Ai senhor das furnas
que escuro vai dentro de nós
rezar o terço ao fim da tarde
só para espantar a solidão
e rogar a Deus que nos guarde
confiar-lhe o destino na mão

De que adianta saber as marés
os frutos e as sementeiras
tratar por tu os ofícios
entender o suão e os animais
falar o dialecto da terra
conhecer-lhe o corpo pelos sinais

E do resto entender mal
soletrar assinar em cruz
não ver os vultos furtivos
que nos tramam por detrás da luz

Ai senhor das furnas
que escuro vai dentro de nós
a gente morre logo ao nascer
com olhos rasos de lezíria
de boca em boca passando o saber
com os provérbios que ficam na gíria

De que nos vale esta pureza
sem ler fica-se pederneira
agita-se a solidão cá no fundo
fica-se sentado à soleira
a ouvir os ruídos do mundo
e a entendê-los à nossa maneira

Carregar a superstição
de ser pequeno ser ninguém
mas não quebrar a tradição
que dos nossos avós já vem.


.

domingo, 24 de abril de 2011

Tempo de Ressurreição

Maravilhas fez em mim
Minh’alma canta de gozo
Pois na minha pequenez
Se detiveram Seus olhos

E o Santo e Poderoso
Espera hoje por meu sim
Minha alma canta de gozo
Maravilhas fez em mim


Maravilhas fez em mim
Da alma brota o meu canto
O Senhor me amou
Mais que aos lírios do campo

E por seu Espírito Santo
Ele habita hoje em mim
Que não pare nunca este canto
Maravilhas fez em mim

(Maravilhas fez em mim)


O Senhor fez Maravilhas.


 Feliz Páscoa na alegria de Jesus Ressuscitado!

.

sábado, 16 de abril de 2011

Cireneu



"O velho sentou-se com a cabeça encurvada e as costas doloridas enquanto as censuras, fúteis de sua colérica mulher, lhe feriam os ouvidos.

- (...) Tu, o mais idiota dos homens, preferiste vagabundear pelas estradas, afim de que, renegado, pudesses carregar a cruz de um jovem carpinteiro sedicioso.

- Isto é verdade – disse o velho –, encontrei um jovem que ia ser crucificado e o centurião mandou-me carregar a cruz. Carreguei-a até ao cimo da colina e demorei-me porque as palavras que ele pronunciou, embora grandemente maltratado, não eram de pesar por ele mesmo e, sim, pelos outros; as suas palavras retardaram-me lá. Por isso esqueci tudo mais.

- Sim, na verdade esqueceste tudo mais e o pouco senso que possuías, (...) quando morreres isolado de todos os parentes, quem se lembrará neste mundo de Simão, o Cireneu?"
.

quinta-feira, 31 de março de 2011

Nada temo

"Se me envolve a noite escura
E caminho sobre abismos de amargura,
Nada temo porque a Luz está comigo.

Se me colhe a tempestade
E Jesus vai a dormir na minha barca,
Nada temo porque a Paz está comigo.

Se me perco no deserto
E de sede me consumo e desfaleço,
Nada temo porque a Fonte está comigo.

Se os descrentes me insultarem
E se os ímpios mortalmente me odiarem,
Nada temo porque a Vida está comigo.

Se os amigos me deixarem
Em caminhos de miséria e orfandade,
Nada temo porque o Pai está comigo."


.

sexta-feira, 11 de março de 2011

Quadragésima.com 2011

«O tempo da Quaresma é um tempo de descoberta da nossa identidade como cristãos. É um tempo de encontro connosco próprios e com Deus. É um tempo especial de introspecção e reflexão. Porque não havemos de o fazer aqui, na net, e de uma forma mais comunitária, ajudando-nos uns aos outros?!»
Deste objectivo nasceu em 2008 no Confessionário dum Padre esta proposta, a “quadragésima.com”.
Este ano o Confessionário julgou oportuno lançá-la de novo, em moldes ligeiramente diferentes.


Regras da quadragésima.com 2011:
  1. Ao receber a “quadragésima.com” o blogger deve reflectir na sua relação com Deus e descobrir uma frase bíblica que a defina
    1.1- só se admitem frases retiradas, com citação, da Bíblia;
    1.2- as frases devem ser o mais curtas possíveis;


  2. Depois de o fazer deve re-escrever num post estas regras, as frases já assinaladas pelos anteriores bloggers (com o respectivo link), e escrever a sua;

  3. No post deve incluir quem deseja convidar (pode e deve manifestá-lo no blog da pessoa convidada);

  4. Não é permitido fazer mais que um convite ao mesmo tempo;

  5. O blogger que, recebendo a “quadragésima.com”, não estiver interessado em aceitá-la, deve indicá-lo ao seu emissário para que este lhe dê seguimento através de outro blogger;

  6. Não podem aceitar mais que uma vez a “quadragésima.com”; se o convite aparecer, mesmo vindo de outra “frente”, devem igualmente informar o emissário do segundo convite;

  7. Baseada nalgumas das principais figuras da liturgia da Quaresma, a “quadragésima.com” realiza-se em 3 frentes: frente “Adão” (I Domingo); frente “Abraão” (II Domingo); frente “David” (IV Domingo); estas frentes funcionarão quase como equipas, para tentar chegar ao maior número de bloggers possível (não se trata de encontrar vencedores, mas empenhados)

  8. A “quadragésima.com” será encerrada na Sexta-feira Santa, dia 22 de Abril, pelas 12.00 horas, hora em que o último blogger receptor deve endereçá-la, já com a sua frase, ao Confessionário, para publicitarmos todas as frases que definem a nossa relação com Deus nesta Quaresma de 2011.

  9. Outros interessados em participar nesta “quadragésima.com”, podem escrever as suas frases no sítio do Confessionário dum padre, identificando-se.
__________________________

Assim, o Confessionário convidou-me para a frente “Adão”, a que irei dar início, escrevendo a minha frase, e convidando a Maria João – Deus em Tudo e Sempre  – a dar-lhe continuidade.

Obrigada por aceitares a "quadragésima.com".
__________________________

quadragésima.com 2011 - as frases

0. “E tu, quem dizes que Eu sou?”  Mc 8, 28 - Confessionário dum padre

Frente “Adão”

1. “Olhai como crescem os lírios do campo! Não trabalham nem fiam. Pois eu vos digo: nem Salomão, em toda a sua magnificência, se vestiu como qualquer deles.”   Mt 6, 28-29Partilhas em Fa menor


[Tentarei dar conta da evolução da frente "Adão" aqui nos comentários.]

Adenda:
Todas as Frases bíblicas desta Quadragésima estão agora no
Confessionário dum padre

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Pura Meiguice

Espreito a Primavera nos bicos canoros dos pássaros
Nas pétalas erguidas das flores
Nos sorrisos verdes dos prados
No espelho de água do lago
Nas metáforas brancas das nuvens
Na melodia soprada pela brisa
No aroma suave do céu
Nas cordas afinadas do sol
Na poesia viva das gentes que rasgam de sementes o chão.
E agradeço a Deus a meiguice do Seu olhar.

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Paradoxos

A Ailime mostrou-me um toque do Divino:

“Para chegares a saborear tudo,
Não queiras ter gosto em coisa alguma.
Para chegares a possuir tudo,
Não queiras possuir coisa alguma.
Para chegares a ser tudo,
Não queiras ser coisa alguma.
Para chegares a saber tudo,
Não queiras saber coisa alguma.”


Um paradoxo de "nada saber para perceber tudo" de S. João da Cruz.

E eu fiquei com sede e fui procurar mais:

“Entrei onde não sabia,
e fiquei sem saber,
toda a ciência transcendendo.

Eu não sabia onde entrava,
porém, quando lá me vi,
sem saber onde estava,
grandes coisas entendi.
Não direi o que senti
pois fiquei sem saber,
toda a ciência transcendendo.

De paz e de piedade
era a ciência perfeita,
em profunda solidão,
diretamente entendida;
era coisa tão secreta,
que fiquei balbuciando,
toda a ciência transcendendo.

Estava tão enlevado,
tão absorto e desatento,
que meu sentido ficou
de todo sentir privado;
e o espírito dotado
de um entendimento sem entender
toda ciência transcendendo.”


Descobri sabedoria muito bela nestes escritos de um Santo-poeta que nos deve levar à reflexão - S. João da Cruz, o poeta do amor!

"Para chegares ao que não gostas, hás de ir por onde não gostas."

.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Ainda há histórias de amor que dão origem a lagoas

Não foi lenda nem conto de fadas. Não foi amor à primeira vista.
Costumo dizer que não o conhecia. Mas claro que sim, desde criança. Só que nunca me tinha chamado a atenção. Não era meu amigo, nem meu vizinho, nem sequer meu colega. Tínhamos familiares comuns, o que nos permitia cruzarmo-nos algumas vezes. Superficialmente. Mas nunca o tinha visto com outros olhos (com olhos de ver ao perto) – com olhos do coração.

Foi uma daquelas coisas de que não se está à espera, mas que se faz acontecer, sem querer:
Numa boda de casamento, percebo que os pés se tocam por baixo da mesa… cruzam-se os olhos, aparecem uns sorrisos marotos, as pálpebras baixam-se e o rubor dá sinal de si. Caramba, mas o que é isto?
Tento disfarçar os pulos que me fogem do peito e acho que consigo. Levo para a brincadeira a insistência dos pés debaixo da mesa. Acontecem ali duas conversas diferentes e desajeitadas – a que as bocas falam e a que os pés dizem, mas esta segunda linguagem é-me desconhecida e desconcertante. E cabem naquela mesa vários tipos de iguarias quentes e saborosas: as que reconfortam o estômago; as que enchem os olhos; as que inebriam os sentidos; as que alimentam a fantasia…

E depois das sobremesas e das sobmesas nada nunca mais foi igual.

Há histórias de amor que dão origem a lagoas. Há histórias de amor que nos deixam lagoas para sonhar e para aprender antes de as mergulhar. Foi assim que se passaram dias e semanas e meses e mais meses antes de tentarmos nadar. Não se passava da margem, cada qual na sua. As margens também são sublimes e deleitosas, vibrantes de flores e de suavidade, agradáveis de se passear.
E nesses longos meses bastava um olhar, um sorriso, um aceno ao longe para levitar.

Até que começou a aquecer e chegaram as festas de Verão. E, nas tasquinhas, as nossas merendas saborosas de uns bons petiscos com pão. E debaixo da mesa os pés sempre na mesma primeira aflição. E, no arraial, a música a chamar-nos para um abraço disfarçado de dança, um encosto, um aperto, um acelera-coração.

Depois veio o Inverno com o calor dos bailes no Casarão e o embalo nessas danças de salão. E aquela chapada que dei a outro por se tentar meter pelo meio e armar confusão. E o meu amado foi embora, como que arrependido, envergonhado, daquela situação.

E seguiram-se-me as dúvidas se ele gostava de mim ou não. Aliás, certezas ainda eu não tinha tido, pois aquela boca nunca se quisera abrir para, (nem) de viva voz, me dizer aquilo que eu queria ouvir.

Bem, se era assim, teria de esperar, pois a um Inverno haveria de suceder uma Primavera e, talvez, dias de luar.

E eis que chegou Março, florido e ensolarado, e num domingo à tarde – eram os meus 20 anos – ele fez-se convidado. Na mesa esperavam-no uns acepipes para começar.
Foi ficando e foi voltando durante um mês, e deixando-se ficar, meio esquecido, meio perdido, sem eu bem saber o que o seduzia, pois estava a ver que ele não se descosia. Até que tive de tomar coragem:
- Eu gosto de ti… mas não sei bem se tu gostas de mim…
E ele, numa voz quase sumida:
- Eu gosto mais do que isso… eu amo-te.

Oh, céus! Como estava difícil o primeiro beijo de acontecer! Como a água desta lagoa estava custosa de se dar a beber!

(Passados uns bons anos, o primeiro peixinho, nascido desta lagoa de amor, conheceu uma belíssima açoriana, e com ela formou a sua própria lagoa numa destas ilhas mais maravilhosas que me é dado conhecer).
.

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Conta-me histórias

Conta-me histórias de tempos
A que eu gostaria de voltar
Tenho saudades de momentos
Que nunca mais vou encontrar
A vida talvez sejam só três dias
Eu quero andar sempre devagar




O passado, ainda mais quando diz respeito à infância, espreita-nos, tantas vezes, impregnado de nostalgia. A infância, quer queiramos que não, marca-nos, tanto pela positiva como pela negativa, a vida adulta.

Em tempos escrevi um rol de Sete Coisas marcantes da minha infância. Sete é um número mágico que pode querer dizer tanto e ainda mais. Hoje volto a esse Sete da infância, mas não me vou repetir, apenas completar três coisitas que então deixei por dizer.
Como toda a gente, tenho da minha infância algumas lembranças felizes, dolorosas, hilariantes, vergonhosas e, também, de coisas que gostaria de ter tido como, por exemplo, alguns brinquedos.
E entre os brinquedos que não tive estava uma bola; nem sequer consegui nunca tirar ao primo a bola dos pés dele - que raiva!
Também nunca tive um baldito e uma pá para fazer castelos na areia da praia.
E também nunca tive direito a nenhuma daquelas navalhas que o arco-íris trazia e deixava no local onde pousava (nunca o consegui apanhar).

Ah, mas tive as estrelas, a lua, o sol, o mar, o vento, a chuva, a rua para brincar; e uma boneca quase tão grande como eu com quatro anos, que as sobrinhas acabaram por estragar.

E tenho agora este selo-certificado-caminhante, cheio de havaianas para calçar, como marca deste e de  outros desafios, vindo da Malu e da Teresa, e que me foi passado pela Filipa, para a Canela aqui vir buscar.

.

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

30 Anos

Domingo. Faz hoje 30 anos era Domingo.
Naquele tempo o tempo não corria, andava a passo lento. A manhã despiu-se muito lentamente do sono nocturno, espreguiçando-se no som luminoso do dia. Sem pressas, inspirei os primeiros raios da manhã e deixei-me ficar a saborear os últimos minutos do meu ninho de criança. Uma vida nova iria, dali a poucas horas, começar para mim, mas eu nem sequer pensava muito a sério nisso. Achava que era tudo tão natural como comer, dormir e respirar. Era o rumo normal da vida.
Levantei-me, então, quando me apeteceu, quando já todos trabucavam em casa, serena, fresca. Não houvera despedida de solteira (o que era isso?) tal como não haveria lua-de-mel (pelo menos nada programado). E o dia, apesar de ser Inverno, não estava frio (nem podia estar).

Naquele tempo era tudo tão lento, tão lento, que 10 meses de namoro mais me pareciam 10 anos.
Depois, o tempo começou a correr. Tão depressa, que hoje 30 anos de casamento mais me parecem 30 meses.
Parece que ainda foi há poucos dias que escrevi uma Carta Ridícula;
ou que há poucos meses evoquei este dia 25.01.1981;
ou que, enfim, há tão pouco tempo que contei aqui The Secret.

Meu Deus, como o tempo voa agora a uma velocidade vertiginosa...
.

sábado, 15 de janeiro de 2011

Musicoterapia

Relacionado com uma actividade formativa, fiz uma experiência de musicoterapia.

"A musicoterapia busca desenvolver potenciais e/ou restaurar funções do indivíduo para que este alcance uma melhor qualidade de vida, através de prevenção, reabilitação ou tratamento" (World Federation of Music Therapy)

O processo da Musicoterapia pode desenvolver-se de acordo com vários métodos. Na maior parte dos casos a Musicoterapia é activa. A intervenção, que pode ser individual ou em grupo, envolve actividades musicais (escuta musical, canto, improvisação vocal e instrumental, expressão corporal e outras que envolvam som e movimento), num processo planificado e continuado no tempo, tendo em conta as necessidades especificas de cada pessoa.

Comunicar através da música:
Através de sessões colectivas de musicoterapia é possibilitada a abertura de canais de comunicação, para chegar à produção de comunicação verbal dentro do grupo.

A Musicoterapia destina-se especialmente a pessoas com problemas de relacionamento, comunicação, comportamento e integração social, podendo ser aplicada a idosos, adultos, adolescentes e crianças e, no que respeita ao seu espaço físico, em instituições de saúde física e mental, educação, intervenção comunitária e reabilitação.

Esta actividade pode também situar-se em projectos de promoção e manutenção de bem-estar, dirigidas a pessoas saudáveis e também a pessoas que – por padecerem de condições crónicas – procuram cuidar do seu bem-estar de forma activa e adaptada às suas circunstâncias de vida.

Para mim foi uma experiência muito interessante e salutar. A repetir.


Bamboo Flute with Nature Sounds

Musicoterapia_Natural_Sound