20110902

O Azeite que faz brilhar a Candeia



"O Reino do Céu será semelhante a dez virgens que, tomando as suas candeias, saíram ao encontro do noivo.
Ora, cinco delas eram insensatas e cinco prudentes.
As insensatas, ao tomarem as suas candeias, não levaram azeite consigo;
enquanto as prudentes, com as suas candeias, levaram azeite nas almotolias.
Como o noivo demorava, começaram a dormitar e adormeceram.
A meio da noite, ouviu-se um brado: 'Aí vem o noivo, ide ao seu encontro!'
Todas aquelas virgens despertaram, então, e aprontaram as candeias.
As insensatas disseram às prudentes: 'Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas candeias estão a apagar-se.'
Mas as prudentes responderam: 'Não, talvez não chegue para nós e para vós. Ide, antes, aos vendedores e comprai-o.'
Mas, enquanto foram comprá-lo, chegou o noivo; as que estavam prontas entraram com ele para a sala das núpcias, e fechou-se a porta.
Mais tarde, chegaram as outras virgens e disseram: Senhor, senhor, abre-nos a porta! Mas ele respondeu: Em verdade vos digo: Não vos conheço." (Mt. 25,1-13)

*As insensatas não levaram azeite consigo;
*As prudentes levaram azeite nas almotolias.

As virgens insensatas, que não levaram azeite com elas, procuraram agradar aos homens pela sua continência e pelas suas boas obras, simbolizadas pelas candeias.
Ora, se o motivo das suas boas obras é agradar aos homens, elas não levam azeite com elas. Porque a sua luz é mantida pelos louvores humanos.

Se evitais o mal e se fazeis o bem para recolher lisonjas dos homens, então não tendes azeite no interior das vossas almas.

Mas vós, levai o azeite convosco; levai-o no vosso interior, onde penetra o olhar de Deus; trazei aí o testemunho de uma boa consciência.

Por isso, as candeias das virgens prudentes brilhavam com um vivo fulgor, alimentadas pelo azeite interior, pela paz da consciência, pela glória secreta da alma, devido à caridade que a abrasa.

*A meio da noite, ouviu-se um brado e todas despertaram.

Então as insensatas tentam, como sempre tinham feito, brilhar com o azeite alheio, viver das lisonjas dos homens: «Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas candeias estão a apagar-se»
Mas, nessa altura, já não há ninguém para as elogiar.

Ler reflexão completa:
Comentário ao Evangelho feito por Santo Agostinho - Sermão 93


Vigiai, pois, porque NÃO SABEIS o dia nem a hora. (Mt 25,13)

«Quanto àquele dia e àquela hora, NINGUÉM O SABE: nem os anjos do Céu nem o Filho; só o Pai.»
(Mt 24, 36)

7 comentários:

Vanuza Pantaleão disse...

Amiga Fa,
Estudei em colégio católico por um longo tempo da minha juventude e, nas aulas de religião, aprendíamos várias parábolas do Mestre Jesus.
Essa sempre foi uma das minhas preferidas por demonstrar o quanto prudentes devemos ser na nossa jornada terrena.
Adorei!
Beijos!

teresa disse...

sempre gostei muito desta parábola ..

jinhos ..

joaquim disse...

Há que tempos que por aqui não vinha, minha amiga Fa.

Venho agora para deixar o meu abraço amigo em Cristo

Vanuza Pantaleão disse...

Ser prudente é uma arte...
Uma boa segunda-feira, amiga!

Cadinho RoCo disse...

É pela prudência que mantemos acesa a luz da fé em nossos corações.
Cadinho RoCo

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

As palavras
que ensinam
por meio das
palavras sagradas,
trazem a maravilhosa
capacidade
de inspirar o melhor da vida.

Que a luz da vida
esteja sempre em teu olhar.

Pena disse...

Prezada e Valiosa Amiga:
Mais um texto delicioso de crença no Senhor que é uma delícia.
Parabéns e grato pela sua amizade de pureza.
Beijinho


pena