sexta-feira, março 30, 2007

Perdoa, Senhor

Perdoa, Senhor, o nosso dia (sol si- do re)
A ausência de gestos corajosos (sol do re)
A fraqueza de actos consentidos (mi- si- do re)
A vida dos momentos mal amados (sol do sol)

Perdoa o espaço que te não demos
Perdoa, porque não nos libertámos
Perdoa as correntes que pusemos
Em Ti, Senhor, porque não ousámos

Contudo, faz-nos sentir
Perdoar é esquecer a antiga guerra
E, partindo, recomeçar de novo
Como o sol, que sempre beija a terra



Perdoa Senhor o nosso dia - partitura

quarta-feira, março 28, 2007

Não faças disso a tua vida!

Por vezes deparamo-nos com coisas, pessoas, situações que podem perturbar qualquer um. Ainda mais quando se é, por natureza, facilmente impressionável ou quando, por qualquer motivo, se está mais fragilizado.
Não vou exemplificar, porque podem ser de vária ordem essas manifestações.
Tenho a convicção de que não há ninguém que não tenha estado já perante um qualquer tipo de perturbação de maior ou menor gravidade.
Algumas há que serão apenas momentâneas, mas outras haverá das quais poucos se conseguem livrar sozinhos. Estas são como um espinho cravado na pele que, ou alguém o arranca de lá à força, ou se tem de esperar o tempo necessário a que o próprio organismo o rejeite.
O pior é que, às vezes, as defesas que existem revelam-se insuficientes face ao corpo estranho, e o organismo por si só não reage, precisa sempre de ajudas externas.
Melhor, melhor era mesmo estar-se vacinado. Mas as vacinas, muitas vezes, são como as da gripe. Não actuam em todos os tipos de vírus, só nos específicos. E mesmo estes, tal como as bactérias, quantas vezes não se tornam eles cada vez mais resistentes?

Então que fazer?

Boa pergunta.

Não sei.

Numa situação assim, ou te safas sozinho ou procuras ajuda.

Agora o que não podes nunca é fazer disso a tua vida!


terça-feira, março 27, 2007

Não sou o único a olhar o céu

(Quantas vezes nos sentimos assim!)

Pensas que sou um caso isolado,
Não sou o único a olhar o céu.
A ver os sonhos partirem,
À espera que algo aconteça.

A despejar a minha raiva,
A viver as emoções.
A desejar o que não tive,
Agarrado às tentações.


E quando as nuvens partirem,
O céu azul ficará;
E quando as trevas se abrirem,
Vais ver o Sol brilhará,
Vais ver o Sol brilhará.

Não, não sou o único, não sou o único,
Não sou o único olhar o céu.


Pensas que eu sou um caso isolado,
Não sou o único a olhar o céu.
A ouvir os conselhos dos outros,
E sempre a cair nos buracos.

A desejar o que não tive,
Agarrado ao que não tenho.
Não, não sou o único,
Não sou o único a olhar o céu.

[Não sou o Único - Resistência]


Não Sou o Único é um original dos Xutos & Pontapés

segunda-feira, março 19, 2007

Amor de mãe

Nada é pequeno no amor.
Aqueles que esperam por grandes ocasiões para demonstrar a sua ternura não sabem amar.

O meu amor é somado, jamais subtraído, sendo multiplicado e convosco dividido.

J.P.


T.J. e J.A.
Na vida existem coisas boas e coisas más,
para mim existem apenas boas, porque vos tenho comigo.


"Um amor mais forte que tudo, mais obstinado que tudo, mais duradouro que tudo, é somente o amor de mãe." (Paul Raynal)

domingo, março 18, 2007

Deserto

Hoje
Só queria ter um pouco de deserto
Silêncio
Paz
Só sentir
Não pensar
Fugir
Do mundo que me sufoca
Me aperta
Que não me deixa encontrar

Gosto do deserto
Não da aridez
Mas da imensidão
Do espaço
Da liberdade
Para poder sair de mim
Do turbilhão
Que me envolve
Me oprime
E me constrange

No deserto
O vazio
A tranquilidade
A calma
É isso que me falta
Que procuro
Um oásis
No coração
Deus
Hoje

quarta-feira, março 14, 2007

Quisera voar!



Oh, quem me dera voar!
Voar para onde me levasse o sonho.
Ver a imensidão do mar,
Ver de perto o azul do céu
Com o vento a fustigar o rosto
E o sol a arder na pele!

Quisera voar!
Voar é um imenso desejo!
E, sim, voo
Sem grilhões e com eles
Dentro do espaço limitado
Da minha suave cadeia.

Voar mais alto?
Não!
Não posso.
Não tenho asas!
.

terça-feira, março 06, 2007

Para M. e M.

Hoje, quando acordei, o meu pensamento voltou-se para uma amiga especial e para o seu pequenino rebento que, faz hoje três dias, viu a luz pela primeira vez.
Ontem estivemos a ver as fotos dele. Como é tão querido!

Sei que deves ter passado um bocado!
Aliás, na tua vida já passaste um bocado.
No entanto, és uma pessoa que está sempre de bem com o mundo. Como te admiro por isso!
És pequenina de estatura mas com um coração enorme!
És linda!
Amiga, és uma lição de vida!

Não sou amante de futebol, nem percebo muito disso, apenas ouço alguns termos e sei mais ou menos o que significam. Neste momento, apetece-me dizer-te uma coisa relacionada com isso, que já ouvi em algum lado:
"Se eu fosse um jogador de futebol, estava sempre a pedir para te darem cartão vermelho...
é que estás sempre a fazer-me falta!"
Recupera depressa, para voltares. Sinto-me vazia de ti!

Peço a Deus, para ti e para o teu pequenino, tudo o que de melhor houver no mundo.

Adenda: 03/03/2020
Como o tempo voa! Já passaram 13 anos! 
13 anos que o Manuel já completou, com a graça de Deus.
Entretanto, como se modificou a vida  todos os dias!...
Parabéns, Lobitos!

segunda-feira, março 05, 2007

Sei-te de cor

Sei de cor
cada traço do teu rosto, do teu olhar
cada sombra da tua voz e cada silêncio,
cada gesto que tu faças,
meu amor sei-te de cor.

Sei cada capricho teu e o que não dizes
ou preferes calar, deixa-me adivinhar
não digas que o louco sou eu
se for tanto melhor
amor sei-te de cor.

Sei porque becos te escondes,
sei ao pormenor o teu melhor e o pior
sei de ti mais do que queria,
numa palavra diria
sei-te de cor.

Sei cada capricho teu e o que não dizes
ou preferes calar, deixa-me adivinhar
não digas que o louco sou eu
se for tanto melhor
amor sei-te de cor.

Sei de cor
cada traço do teu rosto, do teu olhar
cada sombra da tua voz e cada silêncio,
cada gesto que tu faças
meu amor sei-te de cor.

(Sei-te de Cor - Paulo Gonzo)


sábado, março 03, 2007

Philia – amor de amizade



“Ama e faz o que quiseres. A medida do amor é amar sem medida.” (Santo Agostinho)

Philia é o sentimento de amizade, simpatia e afeição por alguém.
É uma forma de amar.
É amor de ternura, alegre, expansivo.
É saber ouvir e aconselhar.
É também confiar.
É querer bem a alguém, em vez de o possuir.

Em Português só temos uma palavra para Amor, mas ele contempla três vertentes: o amor Philia - esse amor de amizade; o amor Eros, que é o amor erótico, apaixonado; e o amor Ágape - o amor de Deus, aquele que devemos nutrir pelo próximo, até por aqueles de quem não gostamos. A partir daí pode perceber-se melhor o amor.

Acho engraçada a expressão: “Amizade é o amor sem sexo”. (Onde é que eu já ouvi isto?)
Será que amizade poderá ser amor sem sexo?
Poderá haver amizade entre duas pessoas de sexo diferente?
Será que esta é sempre verdadeira amizade ou poderá evoluir para outros estádios?
Terá alguma componente de simpatia romântica?

Amizade será, também, o amor conjugal realizado?
Philia e Eros que terão em comum?

Penso que amizades grandes e incondicionais, às vezes podem confundir-se com outro tipo de amor. Se calhar conviria saber fazer a distinção, o que, se calhar, nem sempre será fácil.

O que é certo é que na amizade se correm riscos, se esta descambar para além do que na realidade é (amizade) ou, sobretudo, se não for recíproca.

Às vezes, aposta-se numa amizade e, mais tarde, surgem desilusões.
Afinal, na amizade nem sempre tudo corre bem. Porquê? O que faltará? Lealdade? Reciprocidade?

Para não nos magoarmos, convém que saibamos, também, fazer a distinção entre “amigos” e apenas “conhecidos”. Não podemos considerar verdadeiramente “amigos” todos aqueles com quem, de certo modo, nos relacionamos.

Nesses relacionamentos deverá entrar a outra dimensão do amor – o Ágape. Este está acima do Philia e do Eros e nunca nos magoará, uma vez que não exige reciprocidade.

E, tanto Philia como Eros tem de ter Ágape à mistura, quando não... falta-lhes a parte essencial para que sejam completos e verdadeiros.

quinta-feira, março 01, 2007

Bom dia, Senhor!


Eu hoje acordei com meus lábios a cantar (re- mi- re- la-)
A alegria no coração e o amor a transbordar (mi- fa sol)
E quero, por isso dizer-Te (la- re- mi- sol)

Bom dia, Senhor, bom dia, Senhor
(do fa)
Novo dia já nasceu (do sol)
Bom dia, Senhor, bom dia, Senhor (do fa)
É dia, amanheceu (do sol do)

A noite já passou, sei que velaste por mim
Lá fora o frio, cá dentro o calor
Me falam de ti, ó Senhor

(desconheço o autor)

poderá também gostar de:

Partilhas maiores