sexta-feira, dezembro 29, 2023

quinta-feira, dezembro 07, 2023

A Hora da Graça Universal - 8 de Dezembro

No dia 8 de Dezembro, em cada ano, das 12 às 13 horas, é quando a Santíssima Virgem Maria derrama maior quantidade de graças à face da Terra.

“Esta será a Minha Hora de Graça”. 

A Santíssima Virgem Maria prometeu que seja o que for que uma pessoa lhe peça na Hora da Graça (ainda que em casos considerados impossíveis) será concedido, se o pedido estiver de acordo com a vontade de Deus. 


Façamos a nossa oração no dia 8 de DezembroSolenidade da Imaculada Conceição da Virgem Maria,  pedindo a Deus as graças necessárias para a nossa vida, por intercessão da Santíssima Virgem, ao meio-dia, nessa Hora da Graça Universal. 

Oração:
«Maria da Imaculada Conceição, por todos os Vossos méritos, abri as portas do Vosso Coração e deixai espalhar pelo mundo todo, graças incontáveis, repletas de bênçãos espirituais e temporais.»

(Fazer os pedidos)

7 Ave-Marias, em honra das 7 dores do Coração Imaculado; 
3 Glórias ao Pai, em honra da Santíssima Trindade intercaladas com: 
“Rosa Mística, rogai por nós”.


_ Rezar o Salmo 51 (50) “Miserere” (do livro de Salmos da Bíblia):

1Tem misericórdia de mim, ó Deus, por teu amor;
por tua grande compaixão
apaga as minhas transgressões.

2Lava-me de toda a minha culpa
e purifica-me do meu pecado.

3Pois eu mesmo
reconheço as minhas transgressões,
e o meu pecado sempre me persegue.

4Contra ti, só contra ti, pequei
e fiz o que tu reprovas,
de modo que justa é a tua sentença
e tens razão em condenar-me.

5Sei que sou pecador desde que nasci;
sim, desde que me concebeu minha mãe.

6Sei que desejas a verdade no íntimo;
e no coração me ensinas a sabedoria.

7Purifica-me com hissopo, e ficarei puro;
lava-me, e mais branco do que a neve serei.

8Faze-me ouvir de novo júbilo e alegria,
e os ossos que esmagaste exultarão.

9Esconde o rosto dos meus pecados
e apaga todas as minhas iniquidades.

10Cria em mim um coração puro, ó Deus,
e renova dentro de mim um espírito estável.

11Não me expulses da tua presença
nem tires de mim o teu Santo Espírito.

12Devolve-me a alegria da tua salvação
e sustenta-me
com um espírito pronto a obedecer.

13Então ensinarei os teus caminhos
aos transgressores,
para que os pecadores se voltem para ti.

14Livra-me da culpa dos crimes de sangue,
ó Deus, Deus da minha salvação!
E a minha língua aclamará a tua justiça.

15Ó Senhor, dá palavras aos meus lábios,
e a minha boca anunciará o teu louvor.

16Não te deleitas em sacrifícios
nem te agradas em holocaustos,
senão eu os traria.

17Os sacrifícios que agradam a Deus
são um espírito quebrantado;
um coração quebrantado e contrito,
ó Deus, não desprezarás.

18Por tua boa vontade faze Sião prosperar;
ergue os muros de Jerusalém.

19Então te agradarás dos sacrifícios sinceros,
das ofertas queimadas e dos holocaustos;
e novilhos serão oferecidos sobre o teu altar.

_ Rezar o Angelus

_ De seguida, para completar os 60 minutos, também poderá meditar-se na Paixão de Jesus, rezando o Terço, louvando a Deus, ou utilizando outras orações favoritas. 

-------
Nossa Senhora pediu oração e penitência também como preparação para este evento:

«penitência é aceitar todas as nossas cruzes diárias  voluntariamente. Não importa que sejam pequenas, aceitai-as com amor.»

Como oração de preparação rezar em novena -- durante 9 dias antes do dia da Imaculada Conceição, iniciando no dia 29 de Novembro -- o Salmo Miserere (acima descrito); e, eventualmente, também uma oração novena, ou  outra novena, à Imaculada Conceição; e ou, ainda, a oração acima primeiramenre descrita para a Hora da Graça.


-----
Mais sobre a Hora da Graça em:





domingo, dezembro 03, 2023

Vigiai


Estai despertos – diz Jesus – acordados, não vos deixeis dormir …

«Vigiai, com os olhos bem abertos. 
Mas o que é que significa vigiar? 

 Vigiar significa considerar os outros, 
significa amar cada um como um irmão, 
 sem nunca desejar possuir alguém como propriedade privada; 
significa servir a todos, mas não escravizar ninguém.
(...)
Para que haja uma atitude de vigilância 
é necessário cultivarmos o silêncio 
 que nos faz estar atentos uns aos outros! 
 O silêncio é o espaço onde pode nascer em nós alguma coisa de novo...
(...)
"Sem o silêncio, a nossa vida não se lê.... 
o silêncio é muito importante, 
porque é através dele 
que ouvimos o falar escondido, misterioso, luminoso de Deus.(...)” (Tolentino Mendonça)»
(Padre João Torres, “Ainda melhor no silêncio”, reflexão para o 1.º domingo do Advento Ano B)

 

quinta-feira, novembro 23, 2023

Senhor, dá-me a Tua mão

Maria Durão (Simplus), Entrega

«Sei, Senhor, que na vida, 
nem sempre temos tudo, 
tudo dado. 
Por isso aqui estou 
pronto para ser 
ser ajudado… 

Senhor, a Ti me entrego 
com todo o coração 
eu nunca fui tão sincero, 
não sei mais o que fazer, 
sem Ti eu não sei viver, 
ouve a minha oração: 
Senhor, dá-me a Tua mão 

Sei Senhor que não posso 
ter tudo o que quero 
ou que gosto 
por isso peço-Te a Ti, 
que me leves sempre, 
sempre conTigo.»

domingo, novembro 19, 2023

Dia Mundial dos Pobres

O Papa Francisco, por vontade explícita na Carta Apostólica Misericórdia et Misera (20 de Novembro de 2016), instituiu o XXXIII Domingo do Tempo Comum como Dia Mundial dos Pobres, pois, nas suas palavras, o encontro com os pobres que nos rodeiam "será um momento propício para encontrar o Deus que buscamos".

7.º Dia Mundial dos Pobres 19 de Novembro de 2023

 6.º Dia Mundial dos Pobres 13 de Novembro de 2022

«Sempre tereis pobres entre vós» (Mc 14, 7)
 5.º Dia Mundial dos Pobres - 14 de Novembro de 2021

«Estende a tua mão ao pobre» (Sir 7, 32)
 4.º Dia Mundial dos Pobres - 15 de Novembro de 2020
Este ano vivido numa situação ainda mais difícil, com a pandemia.

«A esperança dos pobres jamais se frustrará» (Sal 9, 19)
3.º Dia Mundial dos Pobres - 17 de Novembro de 2019

«Este pobre clama e o Senhor o escuta» (Sal 34, 7)
 2.º Dia Mundial dos Pobres - 18 de Novembro de 2018

 
 1.º Dia Mundial dos Pobres - 19 de Novembro de 2017

Mensagens para o Dia Mundial dos Pobres, ler em:      https://w2.vatican.va/content/francesco/pt/messages/poveri.index.html

🔻

Fica sempre um pouco de perfume,
Nas mãos que oferecem rosas,
Nas mãos que sabem ser generosas. (Bis)

Dar o pouco que se tem
Ao que tem menos ainda,
Enriquece o doador,
Torna a alma ainda mais linda.

Dar um pouco de alegria,
Parece coisa tão singela,
Aos olhos de Deus, porém
É das graças a mais bela.
(Fica sempre um pouco de perfume, Irmã Judith Junqueira Vilella)  Acordes e ouvir
                                                                                  Pauta

quarta-feira, setembro 27, 2023

Eu por ti...

Grupo das Terças, Eu por ti
(partitura)

«Eu por ti, acertaria o meu passo ao teu caminhar. 
Eu por ti, o teu problema arcaria sobre mim 
e abraçaria o horizonte que trazes dentro do teu olhar. 

Eu por ti, buscar-te-ia no mar da tua solidão. 
Eu por ti, te encontraria no grito dos teus porquês, 
não pensando às minhas decisões e aos meus critérios, se falas tu... 

Eu por ti, palpitaria pelos teus desejos. 
Eu por ti, daria voz às tuas mil razões. 
Eu por ti, 
eu por ti, perder-me-ia no teu pranto, 
cantaria o teu próprio canto, 
que esta força em mim, 
deixaria a ti primeiro colher a flor do meu jardim.  

Eu por ti, faria ecoar no meu peito a voz da tua dor. 
Eu por ti, suportaria a tua fragilidade 
e ancorar-te-ia à minha mão se fosses arrastado na maré... 

Eu por ti, faria minha a angústia que vive em ti. 
Eu por ti, entregaria os meus trunfos à tua mão; 
por ti sentiria a saudade pelo fragor da terra que deixaste... 

Eu por ti, palpitaria pelos teus desejos. 
Eu por ti, daria voz às tuas mil razões. 
Eu por ti, 
eu por ti, seria o eco do teu canto,
na apatia e na alegria, 
que esta força em mim, 
deixaria a ti primeiro colher a flor do meu jardim.»

Original: "Vorreido grupo italiano "GEN Rosso".

Uma possível tradução mais literal de "Vorrei", para melhor compreensão da letra "Eu por ti":

Gostaria de sentir em primeira mão os teus problemas,

gostaria de carregar os teus fardos nos ombros,
gostaria de abraçar o teu horizonte
ver o mundo com os teus olhos.

Gostaria de sentir dentro de mim a angústia que sentes,
gostaria de senti-la completamente minha porque
gostaria de não pensar em soluções,
ou em minhas opiniões, se tu falares.

Eu gostaria de ser unido aos teus pensamentos.
Gostaria de ser unido aos teus desejos.

Eu gostaria, eu gostaria
de ser unido ao teu choro,
unido ao teu canto
sim, eu gostaria... eu gostaria...
porque na minha vida
eu coloquei-te antes de mim.

Eu gostaria de me sentir sem fôlego se o não tiveres
Gostaria de me sentir mal se não tivesses forças, 
gostaria de te ancorar em minhas mãos
se a tua vida perdesse altitude.

Gostaria de me sentir um sem-abrigo se tu não tiveres um tecto,
gostaria de me sentir um exilado se tu o estivesses,
gostaria de poder dar-te o meu emprego
se tu não conseguires encontrar um.

Gostaria de ser um com as tuas amarguras,
gostaria de ser um com as tuas certezas.

Eu gostaria, eu gostaria
de ser um de vocês no tédio,
um de vocês na alegria
sim, eu gostaria... eu gostaria...
porque na minha vida
vos coloquei antes de mim.

Para reflectir:
Quem é que está disposto a ser sempre pelos outros, 
a colocar os outros antes de si?...


segunda-feira, setembro 04, 2023

Ser discípulo

No 22.º Domingo Comum, a liturgia da Igreja convida-nos a descobrir “a loucura da cruz”, e é-nos proposto seguir os passos de Jesus, para uma entrega da vida, como oferta de amor. Deixemo-nos seduzir pelo Senhor, como Jeremias, para nos oferecermos, pela misericórdia de Deus, para agir segundo a sua vontade. Como discípulos, seguiremos o caminho de Jesus, e não andaremos à procura de triunfos e êxitos mundanos, mas queremos ter uma atitude semelhante a Jesus, no dom da vida, até à morte, se necessário.

Deus todo poderoso, de quem procede todo o dom perfeito, infundi em nossos corações o amor do vosso nome e, estreitando a nossa união convosco, dai vida ao que em nós é bom e protegei com solicitude esta vida nova. Por NSJC…    (Oração de colecta do XXII Domingo comum)

Por bons que possamos ser, só o amor de Deus, no nosso coração, realiza o que há de melhor, e nos leva à plenitude pela vida nova. Peçamos essa graça.

“Se alguém quiser seguir-Me, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz, e siga-Me”   (Mt. 16, 21-27)

Jesus ensina-nos como ganhar a nossa vida, e adverte-nos de como podemos perdê-la. Procuremos ser seus discípulos, assumindo a nossa cruz, para darmos a vida. Por isso rezemos.

(Pe.Armando Duarte, partilha/reflexão para a XXII semana Comum, ano A)

 
«aceitar a nossa cruz significa compreender que o SOFRIMENTO faz parte da vida de toda a gente e que a nossa cruz não se deve transformar na cruz de mais ninguém... 
(...) 
Mas, "A cruz nada mais é do que o sofrimento (...) que teremos de partilhar com Cristo se realmente seguirmos os seus passos. 
(...)
Quem pensa só em si mesmo, quem usa os outros, quem muda de ideias, quem julga sem se expor, nunca entenderá a linguagem da cruz! Porque a cruz é outra coisa...»

segunda-feira, agosto 28, 2023

Quem é Cristo para mim?

«Quem sou Eu para ti? 
 Pergunta de Jesus a cada um de nós! 
(...) 
Eu posso ser seu: “simpatizante” e “ouvinte” ou seu “amigo” e “seguidor”. 
(...) 
Cristo não é o que digo d’Ele, mas o que vivo d’Ele... 
Cristo não é as minhas palavras, mas o que d’Ele arde em mim... 

Quem sou Eu para ti? 
Deus não quer saber do que sabemos d’Ele, mas da nossa paixão por Ele…»
(Padre João Torres, Quem sou Eu para ti?)

Vivemos o 21º Domingo comum, em que na liturgia da Palavra percebemos a necessidade de ter duas traves mestras para manifestar a autencidade da fé: a relação com Cristo e com a Igreja

A manifestação da fé em Cristo oferece-nos o dom da Igreja, que leva a dar testemunho da proposta de salvação que Jesus veio trazer. No evangelho deste dia verificamos a dificuldade de perceber a identidade de Jesus, mas nos nossos dias continua a haver tantas lacunas, no conhecimento da sua vocaçáo e missão, por parte de muitos cristãos! Por isso, continua a ser vital perceber quem é Jesus para nós.

Senhor nosso Deus, que unis os corações dos vossos fiéis num único desejo, fazei que o vosso povo ame o que mandais e espere o que prometeis, para que, no meio da instabilidade deste mundo, fixemos os nossos corações onde se encontram as verdadeiras alegrias. Por NSJC… (Oração de colecta do XXI Domingo comum)

Como é bela esta oração, num convite a mergulhar onde se encontram as verdadeiras alegrias, as únicas que nos realizam e tornam felizes! Reparem que nos basta um único desejo!

«Tu és o Messias, o Filho de Deus vivo» (Mt. 16, 13-20)

Façamos também esta confissão de fé, como Pedro. Repitamo-la com frequência, ao longo da semana.

(Pe.Armando Duarte, partilha/reflexão para a XXI semana Comum, ano A)

segunda-feira, agosto 14, 2023

Jesus está connosco

«O tempo de férias, mais do que ser apenas aproveitado para descanso, deve proporcionar a descoberta de outros horizontes, privelegiar a relação pessoal, nomeadamente com a família e amigos, aprofundar a dimensão de Deus, e valorizar a beleza da natureza e do ambiente. Se isso não acontecer, podemos terminar este tempo de repouso mais cansados, deprimidos e empobrecidos. Que por isso seja bem vivido!

Celebrámos o XIX Domingo comum. Mas, durante a semana, ocorre a solenidade da Assunção de Nª Senhora, que não podemos ignorar. A autenticidade da nossa fé não pode passar à margem, ou no esquecimento, desta perspectiva. Oxalá tenhamos a determinação de não esquecer esta participação.

A liturgia deste domingo convida a abrir-nos à revelação de Deus. Fala-nos de um Deus apostado em percorrer, de braço dado com os homens, os caminhos da história. Como o profeta Elias, o encontro com Deus faz-se na simplicidade e na interioridade. Ele está na “brisa suave”. Que não tenhamos recusas, na relação com Ele, como S. Paulo lembra aos romanos. Mas, as adversidades devem proporcionar a experiência da fé, para sermos fortalecidos na confiança, como Jesus lembrou a Pedro, no episódio da tempestade na barca.

"Deus todo poderoso e eterno, a quem o Espírito Santo nos ensina a chamar confiadamente nosso Pai, fazei crescer o espírito filial em nossos corações para merecermos entrar um dia na posse da herança prometida. Por NSJC…" (Oração de  Colecta do XIX Domingo comum)

"Tu és verdadeiramente o Filho de Deus." (Mt. 14, 22-33)

Como os discípulos, prostremo-nos e adoremos, rezando esta Palavra, com frequência.

Como é bom experimentar a presença de Jesus, na barca da Igreja, acompanhando a caminhada da História, para enfrentar as tempestades de todos os tempos! Também a nós, Jesus poderá ter de dizer: "homem de pouca fé, porque duvidaste?" No reconhecimento da sua divindade, Ele continua a encher-nos de confiança.»

(Pe.Armando Duarte, partilha/reflexão para  XIX semana do Tempo Comum, ano A)

 
«Às vezes estamos no meio de uma tempestade... levantam-se ondas de obscuridades sem sentido, de medos paralisantes, de dúvidas angustiantes... sopram outros ventos tempestuosos que nos ameaçam, arrastando tantas seguranças que nos sustentaram, quebrando tantos salva-vidas aos quais nos agarrávamos... 

Mas, no meio das tempestades urge não perder a calma, ter a coragem de “permanecer na barca” e não permitir que o ruído dos ventos nos vença, que os relâmpagos nos ceguem, que as ondas nos levem... 

Afinal, somos “seres de travessia”. Jesus está connosco e nos diz: “Coragem! Sou eu, não tenhais medo!»



domingo, agosto 06, 2023

Transfigurados por Cristo

«A celebração da Eucaristia é fundamental, para uma fé autêntica e coerente. Não pode haver domingo sem Eucaristia.

Hoje celebrar-se-ia o XVIII Domingo comum, mas como ocorre no dia 6 de Agosto, tem preferência a celebração da festa da Transfiguração do Senhor, que é própria deste dia. Será bom saber que a festa da Transfiguração do Senhor, celebrada no Oriente desde o século V, celebra-se no Ocidente desde 1457. Por ser importante, o Papa S. João Paulo II, ao propor novos mistérios para a recitação do terço (Luminosos), um deles reflecte precisamente a Transfiguração do Senhor. A Transfiguração, manifestação da vida divina, que está em Jesus, é uma antecipação do esplendor, que encherá a noite da Páscoa. Os Apóstolos, quando virem Jesus na sua condição de Servo, não poderão esquecer a sua condição divina.

Deus eterno e omnipotente, que na gloriosa transfiguração do vosso Filho Unigénito confirmastes os mistérios da fé, com o testemunho da Lei e dos Profetas, e de modo admirável anunciastes a adopção filial perfeita, fazei que, escutando a Palavra do vosso amado Filho, mereçamos participar da sua glória. Por NSJC…  (Oração de colecta da Transfiguração do Senhor)

Que belíssimo quadro da transfiguração do Senhor! Queremos participar com Ele, para obtermos também a graça da transfiguração. Na oração do fiéis, na Eucaristia de hoje, pedimos esse dom!

"Este é o meu Filho muito amado, no qual pus toda a minha complacência. Escutai-O". (Mt 17,1-9)

Que bom escutarmos também nós!»
(Pe.Armando Duarte, partilha/reflexão para  XVIII semana Comum, ano A)

 

«A JMJ é uma verdadeira Transfiguração de luz e de beleza... Trata-se de ver Jesus como o sol da nossa vida, e a nossa vida mover-se debaixo do sol de Deus. Isso provoca alegria e contágio. Ajuda-nos a alcançar outra perspectiva de vida, mais luminosa, mais positiva, mais confiante.
 
O primeiro passo para se ser contagiado pela beleza e luz de Deus é a escuta, dar tempo e coração ao seu Evangelho. E depois segui-lo, amando as coisas que Ele amava, preferindo aqueles que Ele preferia, reprovando o que Ele reprovava.»

Então veremos a gota de luz oculta no coração vivo de todas as coisas, veremos um rebento de luz despontar e subir dentro de nós.»

segunda-feira, julho 31, 2023

Saber discernir

«O Evangelho deste domingo recolhe algumas parábolas brilhantes de Jesus, que pretendem comunicar algo, que tantas vezes esquecemos: o encontro com Deus é a coisa mais bela que nos pode acontecer, é uma surpresa pela qual vale a pena abandonar tudo, uma alegria que nos faz esquecer todo o resto. Mas para que tal aconteça temos que agir com astúcia e urgência.»

 
Padre João Torres, Movidos pela alegria

«No XVII Domingo comum, a liturgia da Palavra interpela-nos para assentarmos a construção da nossa vida nos valores fundamentais que Cristo nos transmite. A 1ª leitura apresenta-nos o exemplo de Salomão, que não se deixa enganar por valores passagerios e frustrantes. Na continuidade, da carta aos romanos, somos chamados a descobrir como ”Deus concorre em tudo para o bem daqueles que O amam”. No evangelho, através das parábolas somos instruídos nos valores do Reino, através do tesouro escondido, da pérola mais preciosa e da rede.

"Senhor nosso Deus, protector dos que em Vós esperam, sem Vós nada tem valor, nada é santo. Multiplicai sobre nós a vossa misericórdia, para que, conduzidos por Vós, usemos de tal modo os bens temporais que possamos aderir, desde já, aos bens eternos. Por NSJC…" (Oração da colecta do XVII Domingo comum)

Com certeza que os bens deste mundo são bons, úteis e necessários. Mas não nos deixemos enganar: são passageiros, e não devem sobrepôr-se aos bens eternos. Por isso, precisamos viver as parábolas de hoje.

"Todo o escriba instruído sobre o reino dos Céus tira do seu tesouro coisas novas e coisas velhas". (Mt. 13, 44-52)

Não somos escribas, mas pedimos a Deus que nos instrua, para percebermos e experimentarmos o valor indispensável e riqueza mais preciosa do Reino, numa vida em Cristo.

Como Salomão, mais do que riqueza ou vida longa, precisamos da sabedoria, para fazermos as verdadeiras opções, pelos valores eternos.»

(Pe.Armando Duarte, partilha/reflexão para a semana que segue ao XVII Domingo Comum, ano A)

domingo, julho 30, 2023

Há pressa no ar

 JMJ 2023 - O Hino

 
Hino da JMJ Lisboa 2023 - "Há pressa no ar"
Autores: Pedro Ferreira e Padre João Paulo Vaz 


"Com Maria, ensaiamos um sim.
(...)
Foi Maria quem primeiro acolheu
A grande surpresa da vida sem fim."

domingo, julho 23, 2023

O trigo e o joio

«Volta o desafio das parábolas, para tentarmos perceber o sentido da semente do trigo e do joio. O evangelho é claro. 
Um desafio: meditem na íntegra o texto do evangelho. Se formos coerentes e autênticos, podemos descobrir uma grande riqueza. A beleza do texto tem uma profundidade inexcedível. Que nos enriqueça!

O 16º Domingo comum convida a continuar a viver as parábolas, com o tema da semente, na liturgia da Palavra. Mas, no centro, está a boa notícia do Reino de Deus.

O Senhor é indulgente e compassivo para com todos, lembra a 1ª leitura, e, através do Espírito Santo, vem em auxílio da nossa fraqueza, assim propõe a 2º leitura, da carta aos Romanos. Mas pelo evangelho percebemos como o trigo e o joio germinam ao mesmo tempo no nosso coração. Importa, pois, reflectir a mensagem que Jesus nos propõe.

"Sede propício, Senhor, aos vossos servos e multiplicai neles os dons da vossa graça, para que, fervorosos na fé, esperança e caridade, perseverem na fiel observância dos vossos mandamentos. Por NSJC…" (Oração de colecta do XVI Domingo comum)

Suplicamos ao Senhor, que envie sobre nós a abundância dos seus dons, para que progridamos na Graça, através das virtudes da fé, da esperança e da caridade.

"A boa semente são os filhos do Reino e o joio são os filhos do Maligno". (Mt. 13, 24-43)

Precisamos de aprender a discernir as sementes que frutificam em nós, pela qualidade do trigo ou do joio. A Palavra que proponho, para rezarmos durante a semana, ajudar-nos-á a frutificar. Mas não esqueçamos que em nós há sementes de trigo e de joio.»

(Pe.Armando Duarte, partilha/reflexão para a semana que segue ao XVI Domingo Comum, ano A)

 
"Alguém pergunta a um grupo de crianças como seriam os seus corações, se os corações maus fossem escuros e branquinhos os corações bons, respondeu imediatamente uma pequenina: “Ah! O meu é às riscas!” 
(...) 
O trigo e o joio não são dois tipos de pessoas, mas duas formas de conduta, que estão (sempre) presentes em cada um de nós." (Padre João Torres)

.

segunda-feira, julho 17, 2023

A semente do Reino

«Vivemos estes dias de Julho intensamente, na perspectiva da Jornada Mundial da Juventude. Há jovens a despertar. E isso é muito positivo, pois deram-se conta de que não podiam ficar de lado ou para trás.

A nossa participação regular na Eucaristia é fundamental, para que muitos não fiquem arredados do essencial da vida de fé e da experiência autêntica da vida cristã. Tal como precisamos de alimentar-nos regularmente, igualmente a fé, para ser verdadeira, precisa do alimento fundamental.

Celebramos a liturgia do XV Domingo Comum, que nos convida a viver a importância da Palavra de Deus, para alimento da nossa fé. Tal como a chuva, ao cair sobre a terra, produz o seu fruto, assim a Palavra que sai da boca de Deus, lembra a 1ª leitura. É nosso dever preparar a terra do nosso coração, para frutificar. Mas é o Espírito que opera a renovação, pela libertação do nosso corpo, lembra a carta os Romanos. Por isso, Jesus quer continuar a lançar a semente do Reino, no terreno do nosso coração. É nosso dever prepará-lo para frutificar.

"Senhor nosso Deus, que mostrais aos errantes a luz da vossa verdade para poderem voltar ao bom caminho, concedei a quantos se declaram cristãos que, rejeitando tudo o que é indigno deste nome, sigam fielmente as exigências da sua fé. Por NSJC…" (Oração da colecta do XV Domingo Comum)

Declarar-se cristão não se faz apenas por palavras, mas leva ao compromisso de ser outro Cristo e a praticar as exigências da fé. É essa graça que pedimos na Eucaristia de hoje.

"E aquele que recebeu a palavra em boa terra é o que ouve a palavra e a compreende". (Mt. 13, 1-23)

A Palavra é eficaz: cumpre o que anuncia. Mas dará fruto mais abundante, pela nossa resposta, preparando o terreno do nosso coração. Na oração, o Espírto Santo vem ajudar-nos.»

(Pe.Armando Duarte, partilha/reflexão para a semana que segue ao XV Domingo Comum, ano A)


Podem vir a propósito, as palavras do Pe. António Vieira, no Sermão da Sexagésima:

"A pregação que frutifica, a pregação que aproveita, não é aquela que dá gosto ao ouvinte, é aquela que lhe dá pena.
Quando o ouvinte a cada palavra do pregador treme; quando cada palavra do pregador é um torcedor para o coração do ouvinte; quando o ouvinte vai do sermão para casa confuso e atónito, sem saber parte de si, então é a pregação qual convém, então se pode esperar que faça fruto: Et fructum afferunt in patientia.

Enfim, para que os pregadores saibam como hão-de pregar e os ouvintes a quem hão-de ouvir, acabo com um exemplo do nosso Reino, e quase dos nossos tempos. Pregavam em Coimbra dois famosos pregadores, ambos bem conhecidos por seus escritos; não os nomeio, porque os hei-de desigualar. Altercou-se entre alguns doutores da Universidade qual dos dois fosse maior pregador; e como não há juízo sem inclinação, uns diziam este, outros aquele. Mas um lente, que entre os mais tinha maior autoridade, concluiu desta maneira: “Entre dois sujeitos tão grandes não me atrevo a interpor juízo; só direi uma diferença, que sempre experimento: quando ouço um, saio do sermão muito contente do pregador; quando ouço outro, saio muito descontente de mim.” 

segunda-feira, julho 10, 2023

Revelação aos pequeninos

«Estamos no XIV Domingo Comum, em que a Palavra de Deus faz um convite à humildade e à pequenez (espiritualmente), pois os arrogantes, vaidosos e autosuficientes, não são capazes de perceber, pois que estão cheios de si. Deus revela-se aos simples e humildes.

Senhor nosso Deus, que, pela humilhação do vosso Filho, levantastes o  mundo decaído, dai aos vossos fiéis uma santa alegria, para que, livres da escravidão do pecado, possam chegar à felicidade eterna. Por NSJC…  (Oração de colecta do XIV Domingo Comum)

"Vinde a Mim… e aprendei de Mim, que sou manso e humilde de coração". (Mt. 11, 25-30)»

(Pe.Armando Duarte, partilha/reflexão para a semana que segue ao XIV Domingo Comum, ano A)

 
 Comentário/reflexão do padre Manuel Barbosa, scj, para o 14.º Domingo do Tempo Comum - Ano A.

domingo, julho 02, 2023

Escola de discipulado

«O assunto, apresentado em título, procura ajudar a entender o sentido da liturgia da Palavra da Eucaristia deste domingo. Bom seria que todos procurem esse aprofundamento, e se esforcem por procurar corresponder, porque Jesus bem nos diz quem "não é digno de Mim".

Numa refeição, temos uma variedade de alimentos e de bebidas, que a tornarão, não apenas mais agradável, mas indispensável para o fortalecimento das nossas forças, renovação das energias, crescimento e sustento do nosso corpo. Na Eucaristia buscamos o apoio indispensável, que Cristo nos oferece, desde a sua instituição na última Ceia. Como será possível haver baptizados, que a põem de lado, e são capazes de passar o domingo sem ela? Os mártires da Abitínia (norte de África), no séc.I, diziam: "Sine Dominico no possumus!" Mesmo sendo uma frase em latim, todos entendemos que não eram capazes de passar o domingo sem a Eucaristia. Torna-te também um apóstolo da Eucaristia. Não podemos viver sem ela.

Além de três leituras e de um salmo, nas Missas solenes, somos ainda alimentados por vários cânticos, bem como pela riqueza de outros momentos, e da oração eucarística, que nos proporcionam um alimento substancial e indispensável para a fé. Por isso é uma refeição sagrada e imprescindível, e que nos prepara para o banquete do fim dos tempos. Com discípulos de Jesus, alimentemo-nos com a sua Palavra, para termos a sua Vida, e sermos suas testemunhas. N’Ele, temos uma vida plena, segui-lO-emos, e partilhá-lO-emos aos outros.

"Senhor nosso Deus, que, pela graça da adopção nos tornastes fillhos da luz, não permitais que sejamos envolvidos pelas trevas do erro, mas permaneçamos sempre no esplendor da verdade. Por NSJC…" (Oração da colecta do XIII Domingo comum)

"Filhos da luz"…, que grande graça! Por isso, abandonamos as obras das trevas, do pecado e da vida velha. O mundo, e a sociedade de hoje, convidam as pessoas a procurar ser estrelas, a brilhar diante dos outros. Mas, afinal, pela graça de sermos e vivermos como filhos de Deus, pedimos a bênção de continuar no esplendor do Senhor, da verdade e da vida!

"Quem vos recebe, a Mim recebe, e quem Me recebe, recebe Aquele que Me enviou". (Mt. 10, 37-42)

Como discípulos de Jesus, somos chamados e enviados, em missão. Assumamos essa consciência na partilha da vida, no anúncio de Jesus, no serviço aos mais necessitados. Por isso rezamos esta Palavra, para nos sentirmos enviados por Jesus. Dar um copo de água fresca, não ficará sem recompensa! Há duas semanas rezávamos: "recebestes de graça, dai de graça"!»
(Pe.Armando Duarte, partilha/reflexão para a semana que segue ao XIII Domingo Comum, ano A)

segunda-feira, junho 26, 2023

Não tenhais medo dos homens

Chegou o Verão, a lembrar as férias, mas como referimos anteriormente, não há férias para Deus, para a oração, para a Eucaristia, de modo a não perdermos o horizonte duma vida que aspira à eternidade e à glória. (...)

Precisamos de quem anuncie caminhos de vida, para não andarmos desorientados e perdidos, como facilmente verificamos no seio da sociedade actual. Como discípulos de Jesus, queremos segui-l’O e testemunhá-l’O, com a mais feliz concretização dum horizonte rasgado, que nos faça avançar pelos critérios do Reino.

A Palavra que o Senhor nos dirige, na celebração do XII Domingo do Tempo Comum, alerta-nos para alguns obstáculos e dificuldades, que precsamos de vencer. Para isso, necessitamos de fortalecer a nossa fé na caminhada, pois o Senhor Jesus nos assiste e acompanha, para termos um testemunho coerente, a experimentar e anunciar a Sua salvação.

Como o profeta, confiemos em Deus e anunciemo-lo. Como S. Paulo nos pede, sejamos fiéis ao projecto de Deus, para que a Sua graça seja concedida com abundância a muitos. Jesus envia os discípulos, e assiste-os na sua caminhada, como nos interpela no evangelho.

"Senhor, fazei-nos viver a cada instante no temor e no amor do vosso santo nome, porque nunca a vossa providência abandona aqueles que formais solidamente no vosso amor. Por NSJC…" (Oração de coleta do XII Domingo comum)

Esta oração é um convite à confiança na providência divina, pois Deus sempre assiste os que se entreguem e abandonem ao seu amor. Façamos essa experiência de fé.

"Não tenhais medo dos homens" (Mt. 10, 26)

No evangelho de hoje, Jesus pede-nos várias vezes a não termos medo dos homens, no testemunho que devemos dar da Palavra de Deus; o que escutamos ao ouvido devemos proclamar sobre os telhados. Devemos declararmo-nos por Ele diante dos outros, para que Ele também se declare por nós diante do Pai. Por isso, rezemos esta Palavra.»
(Pe.Armando Duarte, partilha/reflexão para a semana que segue ao XII Domingo Comum, ano A)

Para dar confiança àqueles que O seguem, Jesus diz claramente: «Não tenhais medo, não temais os que matam o corpo, mas não podem matar a alma." (Mt. 10, 28)

Sejamos, pois, discípulos sem medo.

Também um comentário do padre Manuel Barbosa, scj

segunda-feira, junho 19, 2023

Cristo chama e envia

«Cristo convida a aderir ao seu plano de amor e de vida pelos homens. 
E nós ficamos felizes por sentir que Ele precisa de nós, apesar das nossas limitações?
Ele chama-nos pelo nosso nome. 
E nós queremos oferecer-nos? 

Uma vez chegados ao tempo de férias, tenhamos o cuidado de não pautar a nossa relação com Deus no nível dos nossos esquemas terrenos. Isto é: porque entramos em férias, não podemos pensar que dispensamos a nossa relação com Deus por uns meses. Porque a Eucaristia é um banquete, a Ceia do Senhor. Nós também não suspendemos as nossas refeições habituais, e a nossa relação com os amigos e uns com os outros. E Cristo é o nosso maior amigo, que deu (e continua a dar) a vida por nós. Vale a pena lembrar que, logo nos primórdios da Igreja, os cristãos diziam que, ao domingo, não podemos viver sem a Eucaristia.

Chegados ao XI Domingo do tempo comum, somos convidados a viver a presença contante de Deus no mundo. Por isso, enchamo-nos da sua Vida a experimentar a salvação que nos oferece. Tudo isto pressupõe uma relação constante e autêntica com Deus.

Para além da vivência pessoal, importa fazer esta experiência em Igreja, em comunidade (comum + unidade). Ele é a visibilidade da presença de Deus, que nos convida a sentirmo-nos membros vivos do novo Povo de Deus. Assim, sejamos “um reino de sacerdotes, uma nação santa”, lembra a 1ª leitura. 
No Senhor, “depois de reconciliados, seremos salvos pela sua vida”, lembra a carta aos Romanos. O Senhor quer manifestar-nos a Sua compaixão, porque “somos como ovelhas sem pastor”, lembra o evangelho. Jesus quer que o nosso nome seja acrescentado ao dos apóstolos, para realizar o seu plano.

Senhor nosso Deus, fortaleza dos que esperam em Vós, atendei propício as nossas súplicas; e, como sem Vós nada pode a fraqueza humana, concedei-nos sempre o auxílio da vossa graça, para que as nossas vontades e acções Vos sejam agradáveis, no cumprimento fiel dos vossos mandamentos. Por NSJC… (Oração de colecta do XI Domingo comum)

Só com a graça de Deus se pode corresponder ao que Ele quer de nós. Por isso lha pedimos, para mover a nossa vontade e o nosso agir, de acordo com o seu projecto.

"Recebestes de graça, dai de graça." (Mt. 9,36 -10, 8)

Cristo chamou 12 apóstolos, e enviou-os. Continua a chamar cada um de nós. Procuremos escutá-lO, e segui-lO. A vocação e a missão é para todos: Ide. Se eu O não escutar e seguir, ninguém o fará por mim!

Podes, Senhor, contar comigo. Eis-me aqui!»
(Pe.Armando Duarte, partilha/reflexão para a semana que segue ao XI Domingo Comum, ano A)


domingo, junho 18, 2023

Nós somos o povo de Deus

 
SALMO RESPONSORIAL Salmo 99 (100), (Música: Manuel Luis)
Refrão: Nós somos o povo de Deus,
somos as ovelhas do seu rebanho. 
Nós somos o povo de Deus.

Aclamai o Senhor, terra inteira,
servi o Senhor com alegria,
vinde a Ele com cânticos de júbilo. 

Sabei que o Senhor é Deus,
Ele nos fez, a Ele pertencemos,
somos o seu povo, as ovelhas do seu rebanho. 

Porque o Senhor é bom,
eterna é a sua misericórdia,
a sua fidelidade estende-se de geração em geração.

SALMO RESPONSORIAL 11º Domingo do Tempo Comum - Ano A 
e 4º Domingo da Páscoa - Ano C

domingo, junho 11, 2023

Jesus chama-te!

«Como é bom sentir que Deus nos chama, que Cristo nos interpela, que a Sua graça me toca! Ele é a Palavra viva! Por isso, é muito belo experimentar que somos importantes para Ele, e assim passa à nossa porta, e fala-nos. E eu quero responder, por isso rezo.

Deus é amor!: expressa a mensagem da palavra de Deus deste domingo. Abramos o nosso coração ao amor de Deus. 

Retomamos as celebrações do Tempo Comum. Celebramos o X domingo do Tempo Comum, e a liturgia da Palavra convida a atitudes coerentes e sinceras, para aderir à proposta de salvação de Deus. O Senhor apela à misericórdia, e não ao sacrifício, pois as lindas intenções e os actos de culto vazio, além de ilusórios, são ofensivos. Logo a 1ª leitura, do livro de Oseias, afirma que Deus quer “a misericódia e não o sacrifício”. A 2ª leitura, da epístola aos Romanos, apresenta-nos o exemplo da fé de Abraão, para convidar-nos também a acreditar na ressurreição de Cristo. O evangelho, na versão de S. Mateus, apresenta Jesus que desafia este publicano a entrar na comunidade dos seus seguidores, pois afirma que “Eu não vim chamar os justos, mas os pecadores”.

Senhor, nosso Deus, fonte de todo o bem, ensinai-nos com a vossa inspiração a pensar o que é recto e ajudai-nos com a vossa providência a pô-lo em prática. Por NSJC… (Oração de colecta do X domingo do Tempo Comum)

Antes de mais, somos convidados a mergulhar em Deus, fonte de todos os dons, para pensar e agir com coerência. Para isso, experimentamos o amor do Senhor, traduzindo em gestos concretos o compromisso da nossa fé, que passa pelo testemunho do seguimento de Jesus Cristo.

"Disse-lhe: “Segue-Me”. Ele levantou-se e seguiu Jesus." (Mt. 9, 9-13)

Tal como Mateus, um pecador que deixou tudo e seguiu Jesus, também o desafio nos continua a ser lançado. Tenhamos a coragem e confiança de ser prontos e generosos na nossa resposta, que deve começar por não querer apenas pensar no meu “eu”, mas decidido a amar e a servir. Uma primeira decisão pode ser de me oferecer para algum serviço na comunidade, como leitor, acólito, ou outro.»

(Pe.Armando Duarte, partilha/reflexão para a semana que segue ao X Domingo Comum, ano A)


quinta-feira, junho 08, 2023

Que precioso é Teu Amor, Senhor Meu Deus!


"Porque toda a Vida vem de Ti
Em Tua Luz, vejo a Luz.
Porque toda a Vida vem de Ti
E Tua Luz faz-me ver a Luz.


Que precioso é Teu Amor, Senhor Meu Deus,
Mais do que a Vida, sim.
E na sombra das Tuas asas
Buscarei refúgio e paz.

Na abundância do Amor me prostrarei
Ante Teu Trono, oh Deus.
Nos Teus átrios com Temor Te louvarei
Por Tuas Graças, Senhor.

Na abundância dos Teus átrios
Gozarei como o melhor festim.
Do Teu rio de delícias
Beberei todo o melhor."
[Porque toda a Vida vem de Ti (Baseado no Salmo 36, 7-9)
Autoria de John Keating - Servants of the Word – Sword of the Spirit
Traduzida do original 'In your light we see light']

segunda-feira, junho 05, 2023

Deus é amor!

«O Deus de Amor esteja connosco!

Terminado o tempo pascal, na liturgia da Igreja, retoma-se o tempo comum, inciado após o tempo de Natal, e interrompido quando se entrou na Quaresma. Por isso, a semana que terminou foi a VIII do Tempo comum, mas no domingo a seguir ao Pentecostes celebra-se a solenidade da Santíssima Trindade.

Na Santíssima Trindade, mais do que celebrar “um só Deus em três pessoas”, somos convidados a viver o Deus de Amor, pois mergulhamos na comunhão deste mistério, que nos sacia a fé. A 1ª leitura apresenta-nos um Deus clemente e compassivo, cheio de misericórdia e fidelidade, que nos permite experimentar o amor que Deus nos tem. Na 2ª leitura, S. Paulo faz uma saudação trinitária, que frequentemente usamos no início da celebração da Eucaristia. No fundo, é um convite a mergulharmos nesta relação de amor. No evangelho, pelo diálogo de Jesus com Nicodemos, traz-nos a oferta do amor de Deus, tão grande, que levou o Pai a enviar-nos o seu Filho, para termos a vida eterna.

Deus Pai, que revelastes aos homens o vosso admirável mistério, enviando ao mundo a Palavra da verdade e o Espírito de santidade, concedei-nos que na profissão da verdadeira fé, reconheçamos a glória da eterna Trindade e adoremos a Unidade na sua omnipotência. Por NSJC… (Oração de colecta)

Esta oração leva-nos a viver o mistério do amor de Deus, na comunhão com as pessoas divinas; o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Mergulhemos na fonte de graça, de vida e de verdade.

"Deus amou tanto o mundo que entregou o seu Filho Unigénito." (Jo. 3,16-18)

Quem de nós daria o filho único, com todo o amor, como Deus o fez para connosco? Como Lhe estamos gratos! Agradeçamos, e vivamos como seus filhos, procurando corresponder a este amor.

Que o amor de Deus reine em nossos corações!» 

(Pe.Armando Duarte, partilha/reflexão para a semana que segue ao Domingo da Santíssima Trindade)

Ver também:

A SANTÍSSIMA TRINDADE - "TRÊS JEITOS DE AMAR" (padre João Torres)

Transformados no amor da Trindade (padre Manuel Barbosa, scj):

sábado, junho 03, 2023

Vem, Espírito de Deus!


"A paz esteja contigo. Os amigos saúdam-te; e tu saúda os amigos, um por um." 
(3 Jo. 15)

Começamos hoje com a saudação final da terceira carta de S. João. Que riqueza!

Termina o Tempo Pascal com esta solenidade do Pentecostes, em que se celebra a descida do Espírito sobre Maria e os Apóstolos, no Cenáculo. Que grande alegria e felicidade pela fidelidade de Deus, e pelo cumprimento da promessa de Jesus Cristo. O Espírito Santo veio duma forma extraordinária, como línguas de fogo, e agindo na vida dos Apóstolos, a tal ponto que abriram as portas, e vieram para a rua anunciar Jesus Cristo, convidando à conversão.

Naturalmente que no centro da solenidade do Pentecostes está o Espírito Santo. É Ele que renova, dá vida e constrói a Igreja. A 1ª leitura descreve o acontecimento do Pentecostes, congregando numa mesma comunidade todos os povos, raças e línguas. A 2ª leitura apresenta-nos a diversidade de dons a edificar a comunidade no Corpo de Cristo. No Evangelho, Jesus transmite o Espírito Santo aos discípulos, soprando sobre eles.  Encontramos o Senhor na assembleia dos crentes, que se abre para acolher os dons.

Senhor nosso Deus, que, no mistério de Pentecostes, santificais a Igreja, dispersa entre todos os povos e nações, derramai sobre a terra os dons do Espírito Santo, de modo que, também hoje, se renovem nos corações dos fiéis os prodígios realizados nos primórdios da pregação do Evangelho. Por NSJC…    (Oração de coleta da solenidade do Pentecostes)

Suplicamos os dons de Deus, nesta oração inicial, para que transformem os nossos corações e se renove a face da terra. O Pentecostes, não só aconteceu várias vezes, como descrevem os Actos dos Apóstolos, mas continua a fazer crescer e vivificar a Igreja.

Recebei o Espírito Santo (Jo. 20, 19-23)

O encontro dos discípulos com o Senhor ressuscitado, no primeiro dia da semana, é um convite em cada domingo, a fazermos a mesma experiência, para nos deixarmos renovar e transformar. Supliquemos ao Senhor que nos dê o Seu Espírito, para sermos iluminados, renovados e vivificados. Deus dá o Espírito Santo a quem lh’O pede.

 (Pe.Armando Duarte, partilha/reflexão para a semana que segue ao Domingo de Pentecostes)

Partilhas maiores