segunda-feira, julho 13, 2020

Não tenho culpa de ser um caso raro


(clicar em cima da letra para ler e ver os acordes - créditos Renata Cortez Sica )

terça-feira, julho 07, 2020

Sei-te de cor

Sei de cor
cada traço do teu rosto, do teu olhar
cada sombra da tua voz e cada silêncio,
cada gesto que tu faças,
meu amor sei-te de cor.

Sei cada capricho teu e o que não dizes
ou preferes calar, deixa-me adivinhar
não digas que o louco sou eu
se for tanto melhor
amor sei-te de cor.

Sei porque becos te escondes,
sei ao pormenor o teu melhor e o pior
sei de ti mais do que queria,
numa palavra diria
sei-te de cor.

Sei cada capricho teu e o que não dizes
ou preferes calar, deixa-me adivinhar
não digas que o louco sou eu
se for tanto melhor
amor sei-te de cor.

Sei de cor
cada traço do teu rosto, do teu olhar
cada sombra da tua voz e cada silêncio,
cada gesto que tu faças
meu amor sei-te de cor.

(Sei-te de Cor - Paulo Gonzo)


segunda-feira, julho 06, 2020

Livre-se dos lixos!

A Lei do Camião do Lixo: Uma história para reflectir.

«Certo dia apanhei um táxi para o aeroporto.
Seguíamos na faixa correcta, quando, de repente, um carro preto saiu do estacionamento e se mandou à estrada na nossa frente.
O taxista travou bruscamente, deslizou e escapou de bater no outro carro. Foi por um triz!
E o motorista do outro carro ainda sacudiu a cabeça e começou a gritar para nós nervosamente.
Mas o taxista apenas sorriu e acenou-lhe, fazendo um sinal positivo. E fê-lo de maneira bastante amigável.

Indignado perguntei-lhe: 'Porque é que fez isso? Aquele sujeito quase nos batia e, por pouco, nos mandava para o hospital!'
Então o motorista do táxi ensinou-me aquilo que eu agora chamo "A Lei do Camião do Lixo."
Explicou-me que muitas pessoas são como camiões do lixo. Andam por aí carregadas de lixo, cheias de frustrações, cheias de raiva, traumas e desilusões. À medida que as suas pilhas de lixo crescem, elas precisam dum lugar para descarregar, e, às vezes, descarregam sobre nós.

Nunca leve isso a peito. Não é o seu problema! É o dele!
Simplesmente sorria, acene, deseje-lhes sempre o bem, e siga em frente. Não fique com o lixo dessas pessoas, nem o espalhe sobre outras pessoas no trabalho, em casa, ou nas ruas.
Fique tranquilo... respire fundo e deixe a “pessoa do lixo” passar.

O princípio que se retira disto é que, "pessoas felizes não deixam os camiões do lixo estragarem o seu dia."

A vida é muito curta, não transporte lixo consigo! Limpe os maus sentimentos, os aborrecimentos do trabalho, as picuinhices pessoais, os ódios e as frustrações.

Ame todas as pessoas, tratando-as bem: as que o(a) tratam bem e as que não o fazem.»

(Desconheço o autor)

Acho que esta história faz cada vez mais sentido no nosso pequeno mundo à nossa volta e no mundo global que nos entra janelas adentro. Mundos pejados de intolerâncias e de desamor, que nos vão corrompendo sem darmos conta -- a história refere ainda que "a vida é dez por cento daquilo que fazemos dela, e noventa por cento da maneira como a recebemos!"
Não nos deixemos, pois, conspurcar pela porcaria que os "camiões do lixo" ousam descarregar para cima de nós. Desviemo-nos das investidas, vistamos "roupagens" que não absorvam esses lixos, tomemos "banho" regularmente.

quarta-feira, julho 01, 2020

O preço e o valor; e o sítio certo

Um pai, em determinado dia, chamou o filho e disse-lhe:
- Filho, vou dar-te este relógio, que é muito especial para mim. É um relógio muito antigo do teu bisavô. Há mais de 100 anos que está na nossa família. Talvez seja a melhor herança que eu te possa deixar. Mas antes, quero que procures saber quanto vale. Vai ali ao café em frente e diz às pessoas que lá estiverem que queres vendê-lo, para ver quanto te dão por ele.

O filho lá foi. Quando voltou disse que, lá no café, o máximo que lhe ofereceram foi 10€, porque disseram que era velho. Então o pai disse:
- Agora vai ao relojoeiro e faz o mesmo.
O jovem assim fez e na relojoaria conseguiu uma oferta de 30€ pelo relógio. O pai disse:
- Então agora quero que vás ao museu, nas primeiras horas da manhã, e mostres lá o relógio.
Ele assim fez. Chegou lá ainda antes de o museu abrir. Quando abriu, entrou e procurou por quem dirigia o museu para oferecer o relógio.

Quando voltou disse ao pai:

- O dono do museu ficou com os olhos brilhantes diante do relógio e, irradiando alegria, disse que o relógio é uma peça rara. Existirão no mundo apenas 100 exemplares deste relógio. Disse que algo assim não tem preço... de tão raro que é. Aconselhou-me a não vender, pois eu tinha nas mãos uma verdadeira jóia. Mas, se por acaso, eu me quisesse desfazer do relógio, que o procurasse em primeiro lugar, pois ele pagaria 50.000€ por ele.

O pai então disse:
- Filho, a herança que tenho para te deixar não é o relógio nem os 50.000€ que ele pode valer. A herança que te vou deixar é esta lição: não fiques irritado por não te darem o valor que mereces. Ninguém te vai dar o valor certo enquanto estiveres no lugar errado.
Quem sabe o teu valor é quem te aprecia; nunca fiques num lugar onde não te valorizam, um lugar que não combina contigo. Não sejas a pérola dos porcos. Conhece o teu valor!
O relógio já é teu. Ele pode valer 50.000€... mas escolher os lugares e as pessoas que são tão valiosos como tu, ah, isso não tem preço; isso tem valor! Eu queria que aprendesses que o lugar certo conhecerá o teu valor da maneira certa.

(desconheço o autor)

poderá também gostar de:

Partilhas maiores