sábado, 17 de setembro de 2011

Para a P.

P.,

Amiga, colega, companheira…
Sempre pronta para a brincadeira…
E, principalmente, para arregaçar as mangas para o trabalho;

Foram longas as horas,
E, outras vezes, breves os momentos
De partilha, de cumplicidade…
Em que a amizade falou mais alto;
Em que as notas que arrancaste à flauta, ao acordeão, à garganta
e aos sentimentos partilhados, se transformaram em alegria, em amor,
em coragem, em vida.

És pequena de corpo, mas grande na alma;
Inteligente, extrovertida, solidária, emotiva…
Corajosa e vencedora nos caminhos que ousas percorrer.

Na voragem dos dias que, nestes tempos, a todos quer consumir,
Nunca deixes de ser pedra no alicerce da construção que agora inicias;
socorrendo-te sempre da Pedra Angular – Jesus Cristo – em todo o tempo e,
ainda mais, se a construção parecer abanar, pelos ventos, tempestades,
ou só pequenas fragilidades.
Nunca deixes de ser a pauta onde se escreverá a música;
A nota imprescindível ao acorde perfeito;
A clave do Sol que fará brilhar a Vida no teu lar.

Isto não é uma despedida de ti,
No grupo em que criaste raíz
E foste ramo,
E folhas,
E flor…
Porque queremos estar para o que, de nós, precisares,
E te esperamos,
Presente,
Dádiva,
Peça que faz falta a um puzzle.

Cristo conta contigo,
Convosco – como casal.

Felicidades aos noivos!
O Senhor vos abençoe em toda a vossa vida.

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

O Azeite que faz brilhar a Candeia



"O Reino do Céu será semelhante a dez virgens que, tomando as suas candeias, saíram ao encontro do noivo.
Ora, cinco delas eram insensatas e cinco prudentes.
As insensatas, ao tomarem as suas candeias, não levaram azeite consigo;
enquanto as prudentes, com as suas candeias, levaram azeite nas almotolias.
Como o noivo demorava, começaram a dormitar e adormeceram.
A meio da noite, ouviu-se um brado: 'Aí vem o noivo, ide ao seu encontro!'
Todas aquelas virgens despertaram, então, e aprontaram as candeias.
As insensatas disseram às prudentes: 'Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas candeias estão a apagar-se.'
Mas as prudentes responderam: 'Não, talvez não chegue para nós e para vós. Ide, antes, aos vendedores e comprai-o.'
Mas, enquanto foram comprá-lo, chegou o noivo; as que estavam prontas entraram com ele para a sala das núpcias, e fechou-se a porta.
Mais tarde, chegaram as outras virgens e disseram: Senhor, senhor, abre-nos a porta! Mas ele respondeu: Em verdade vos digo: Não vos conheço." (Mt. 25,1-13)

*As insensatas não levaram azeite consigo;
*As prudentes levaram azeite nas almotolias.

As virgens insensatas, que não levaram azeite com elas, procuraram agradar aos homens pela sua continência e pelas suas boas obras, simbolizadas pelas candeias.
Ora, se o motivo das suas boas obras é agradar aos homens, elas não levam azeite com elas. Porque a sua luz é mantida pelos louvores humanos.

Se evitais o mal e se fazeis o bem para recolher lisonjas dos homens, então não tendes azeite no interior das vossas almas.

Mas vós, levai o azeite convosco; levai-o no vosso interior, onde penetra o olhar de Deus; trazei aí o testemunho de uma boa consciência.

Por isso, as candeias das virgens prudentes brilhavam com um vivo fulgor, alimentadas pelo azeite interior, pela paz da consciência, pela glória secreta da alma, devido à caridade que a abrasa.

*A meio da noite, ouviu-se um brado e todas despertaram.

Então as insensatas tentam, como sempre tinham feito, brilhar com o azeite alheio, viver das lisonjas dos homens: «Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas candeias estão a apagar-se»
Mas, nessa altura, já não há ninguém para as elogiar.

Ler reflexão completa:
Comentário ao Evangelho feito por Santo Agostinho - Sermão 93


Vigiai, pois, porque NÃO SABEIS o dia nem a hora. (Mt 25,13)

«Quanto àquele dia e àquela hora, NINGUÉM O SABE: nem os anjos do Céu nem o Filho; só o Pai.»
(Mt 24, 36)