sábado, junho 05, 2021

Palavras em tempo de pedras


"Quando as pedras frias
caem brancas e torcidas
sobre as palavras imperiais,
mordendo-lhes as raízes
como se fossem o contrário do que são,
fecham-nos a alma e ficamos sem saber
se as asas se quebram ou
se ficamos de pé à espera das próximas pedras."
(José Maria Brito Sj https://www.facebook.com/zemariasj


A natureza humana é tal que os pensamentos lutam para serem expressos em palavras faladas, e palavras faladas procuram se realizar através de acções – muitas vezes por caminhos tortuosos, que a pessoa que originalmente pronunciou as palavras não desejava nem previa.


Pedras? Não guardo nenhuma. Os castelos ganham imensa humidade.



5 comentários:

Victor Barão disse...

Uma postagem entre o poético e o enigmático, mas também o conciso e o acutilantemente objectivo, que em poucas palavras diz muitíssimo _ simplesmente adoro e se com a devida licença subscrevo.
Parabéns e boa semana
Abraço
VB

Majo Dutra disse...

E um poema interessante...
Por vezes, não é fácil lidar com pedras, nem falar delas...

Todos temos o nosso castelo...
Beijinhos, Fá.
~~~~

edna figueiredo disse...

Querida amiga,
me surpreendo cada vez que venho aqui.
O poema tocou minha alma profundamente.
A música, encheu meu coração de serenidade.
Obrigada,
Beijo, Deus esteja com você.

alfacinha disse...

Poema enigmático
bjs

Roselia Bezerra disse...

Boa tarde de paz, querida amiga Fá!
Muito lindo poder construir castelos sólidos em nosso peito.
Tenha dias felizes e abençoados por Deus!
Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem
😘😘😘

poderá também gostar de:

Partilhas maiores